1106

11 Dez 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Ciência é instrumento dinamizador da competitividade do país
Portugal tem de inovar na visão sobre os fundos comunitários
AUTOR

João Quintas

DATA

22.02.2019

FOTOGRAFIA

dr

Portugal tem de inovar na visão sobre os fundos comunitários

O primeiro-ministro, António Costa, participou esta manhã, em Lisboa, na sessão de abertura de uma conferência sobre Ciência, inovação e Ensino Superior, onde defendeu que “temos de reforçar a nossa competitividade, e só o fazemos com mais investimento em ciência, no conhecimento, e na sua transferência para o tecido empresarial”.

 

Nesse sentido, Portugal tem de ter capacidade de “inovar na visão sobre os fundos comunitários” de modo a “disputar o acesso aos fundos comunitários destinados à inovação e à ciência”, defendeu António Costa.

“Nas negociações dos fundos, temos de garantir que nestes programas os objetivos da convergência também têm de estar presentes, com mecanismos para que instituições universitárias e empresas possam ter acesso aos fundos em condições de igualdade com aquelas que já fizeram o percurso”, referiu o líder do PS.

“Se não formos capazes de convergir e recuperar o tempo perdido, será muito negativo para nós e um problema para a Europa”, advertiu o primeiro-ministro, acrescentando que “a Europa tem de ter a visão de que a convergência é um investimento para diminuir o esforço de coesão no futuro”. 

António Costa salientou que Portugal já tem o segundo melhor regime fiscal de apoio ao investimento das empresas, enfatizando as afirmações do ministro da Ciência, Manuel Heitor, que, na mesma conferência, destacou as boas condições para o investimento empresarial, designadamente através de mecanismos fiscais e do acesso a fundos comunitários.

O líder do Executivo socialista reforçou que o conhecimento deve estar na base do crescimento e desenvolvimento do país, por forma a garantir uma sociedade mais inclusiva e mais dinâmica, como demonstra o recente relatório da OCDE, o qual “permitiu ao Governo e às instituições perceber onde estamos e o que temos de mudar para obter melhores resultados”.

O aumento do número de estudantes no ensino superior, é também, na ótica do primeiro-ministro, “decisivo para a democratização da sociedade, a qualificação da cidadania e para assegurar às empresas a resolução de um problema de recursos humanos”.

Esta é, aliás, como sublinhou, uma matéria determinante para o crescimento e desenvolvimento económico, visto que “não há empresa que invista no conhecimento que não sinalize a falta de recursos humanos em Portugal”.

Referindo-se à transferência do conhecimento do sistema de ensino superior e dos centros de produção de conhecimento para o tecido empresarial, António Costa considera essencial “fazer o emparelhamento entre o conhecimento produzido e as necessidades das empresas já existentes”, afirmou.

“Temos de ter produtos de maior valor, com processos que melhorem ainda mais a produtividade, para sermos mais competitivos e garantir que, mesmo com o arrefecimento da procura possamos continuar a crescer com base nas exportações”, declarou.

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1414
Agosto 2019