1034

31 Jul 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Geração 20/30
António Costa defende escola flexível e investimento na inovação e produção de conhecimento
AUTOR

Mary Rodrigues

DATA

10.05.2018

FOTOGRAFIA

dr

António Costa defende escola flexível e investimento na inovação e produção de conhecimento

Recolocar a educação no centro das prioridades políticas é a aposta assumida pelo candidato à liderança do PS António Costa, para quem “tão ou mais importante do que um bom resultado nas finanças públicas, é o facto de, pelo segundo ano consecutivo, o número de jovens no ensino superior ter voltado a aumentar em Portugal”.

 

Ao discursar em Coimbra, durante uma sessão com militantes, no âmbito da sua recandidatura a secretário-geral, em que apresentou a sua moção “Geração 20/30”, Costa centrou a sua intervenção no eixo da revolução digital.
Esta, apontou, “é a primeira revolução industrial para a qual Portugal parte com todas as vantagens e sem nenhum dos inconvenientes que se colocavam nas anteriores revoluções industriais”.
Isto porque, evidenciou, se nas anteriores revoluções o país não tinha recursos naturais, recursos energéticos ou uma posição geográfica favorável, “na era da digitalização nenhum desses fatores são desvantagens”.
“Temos uma enorme vantagem competitiva”, uma vez que esta revolução surge na mesma altura em que Portugal tem, pela primeira vez, uma geração suficientemente preparada para podermos aproveitar todo este potencial que esta revolução industrial oferece”, afirmou António Costa, defendendo ser fundamental “olhar para o desafio como uma oportunidade”.
Mas, alertou, o desafio tem de ser encarado sem se esquecer “aqueles que desempenham profissões que poderão desaparecer ou aqueles cujos trabalhos vão precisar de uma grande alteração do perfil de formação”.
Por isso, advogou o Secretário-geral socialista, será “absolutamente essencial” que a aposta na educação e formação ao longo da vida seja uma prioridade no futuro, “por forma a garantir que o progresso tecnológico chega a cada um, tenha dez, cinquenta, sessenta anos ou mais”.
Segundo António Costa, é preciso garantir uma “educação flexível” e uma escola que permita às pessoas adaptarem-se a empregos que apenas vão existir no futuro, bem como “um investimento na inovação e no conhecimento”.
Depois, apontou as baterias à insegurança no trabalho ao enfatizar a necessidade de “erradicar a precariedade”.
Refira-se que as eleições diretas para o cargo de Secretário-geral do PS decorrem amanhã e sábado, seguindo-se, de 25 a 27 deste mês, na Batalha (Leiria), o 22.º Congresso Nacional do partido.

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1414
Agosto 2019