1005

18 Jun 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Programa de Modernização Ferrovia 2020
Investimento público na ferrovia rondará os 200 milhões em 2018

Investimento público na ferrovia rondará os 200 milhões em 2018

A modernização da linha ferroviária da Beira Baixa, no troço entre as cidades da Covilhã e da Guarda, cujos trabalhos tiveram ontem início, "vai contribuir para a coesão territorial" e melhorar a ligação com Espanha, garantiu na Covilhã o ministro Pedro Marques.

 

O ministro do Planeamento e das Infraestruturas, foi ontem à Covilhã, no distrito de Castelo Branco, presidir ao lançamento dos trabalhos de modernização do troço ferroviário da linha da Beira Baixa, entre a Covilhã e a Guarda, um investimento que Pedro Marques definiu como de "enorme importância", não só para o interior do país, como para o "fomento da "coesão territorial".

Pedro Marques falava na estação ferroviária da Covilhã, onde ontem decorreu a cerimónia de lançamento dos trabalhos que incluem, para lá da modernização da linha da Beira Baixa, a construção da empreitada da ligação entre as linhas da Beira Baixa e da Beira Alta (Concordância das Beiras), garantindo o governante que o investimento ferroviário de "grande escala", está em 2018, de "de regresso ao nosso país", devendo manter-se "numa rota de crescimento nos anos seguintes", podendo este ano atingir os cerca de 200 milhões de euros de investimento público.

Segundo anunciou o titular da pasta do Planeamento e das Infraestruturas, o investimento total no projeto de modernização deste troço entre as cidades da Covilhã e da Guarda, rondará os cerca de 77 milhões de euros, dos quais 52 milhões de euros dizem respeito integralmente "à obra física", que quando estiver concluída, como salientou o ministro Pedro Marques, permitirá "reabrir um troço que estava inativo desde 2009".

Depois de recordar que esta obra de melhoramento e modernização do troço ferroviário entre as duas cidades beirãs, faz parte do "projeto ferroviário do Corredor Norte", cujas obras deverão estar concluídas até "ao final de 2019", permitindo a ligação por ferrovia entre os distritos de Castelo Branco e da Guarda, Pedro Marques, lembrou que se trata de um investimento que "concretiza um compromisso assumido pelo Governo", garantindo que o Executivo não se "lembrou do interior apenas depois dos incêndios do verão passado", mas que a valorização das regiões de baixa densidade "já estava a decorrer", como fica plenamente exemplificado, como sublinhou, "pela obra que aqui hoje estamos a lançar".

 

Olhar para o interior do país

Aludindo à tese defendida desde o primeiro dia de Governo, Pedro Marques sustentou que o interior do país "não pode ser encarado como as traseiras do Litoral", mas antes como o "centro do mercado e de acesso a 60 milhões de habitantes", pelo que a aposta na ferrovia, defendeu, "é também mais uma peça deste desígnio".

 

Investimento na região

Para o presidente da Câmara Municipal da Covilhã, o socialista Vítor Pereira, anfitrião desta cerimónia, esta é uma obra que "já era esperada, mesmo antes deste troço ter sido encerrado", mostrando-se satisfeito com o início das obras, alegando tratar-se de uma "mais-valia" para a região, um investimento, como salientou, que vai trazer grandes benefícios para o "movimento pendular diário" entre a Guarda, Covilhã e Castelo Branco, não só para os passageiros, mas também para as empresas locais, que "passam a dispor de uma alternativa mais rápida, mais segura e mais cómodas e amiga do ambiente".

A obra de modernização deste troço ferroviário, como fez questão de referir o ministro Pedro Marques, para lá dos trabalhos de renovação integral de 36 dos 46 quilómetros, bem como da reabilitação de seis pontes centenárias, compreende ainda a remodelação de estações e apeadeiros, drenagem e estabilização de taludes, e a iluminação e automatização e supressão de passagens de nível.

 

 

 

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1413
Maio 2019