826

19 Set 2018

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Dia da Proteção Civil
Reforma da floresta portuguesa concretizada este mês
AUTOR

Rui Solano de Almeida

DATA

01.03.2017

FOTOGRAFIA

DR

Reforma da floresta portuguesa concretizada este mês

O Governo vai aprovar, no próximo dia 21 de março, o “pacote florestal” que constituirá as bases de uma reforma estrutural na floresta portuguesa, anunciou hoje o primeiro-ministro em Oeiras, no encerramento de cerimónia que assinalou o Dia da Proteção Civil.

 

Falando no encerramento da cerimónia que assinalou o “Dia da Proteção Civil”, António Costa anunciou hoje, em Carnaxide, no concelho de Oeiras, que o Governo vai aprovar, no Conselho de Ministros do próximo dia 21 de março, um “pacote florestal”, defendendo que “é hora de fazermos agora uma reforma para a floresta com a dimensão e a importância da reforma que se fez há dez anos para a proteção civil”.

Depois de criticar a ausência de medidas de fundo para a floresta portuguesa nos últimos dez anos, o primeiro-ministro, que estava acompanhado pela ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, lembrou que foi já concluída a discussão pública sobre a reforma da floresta, iniciativa que vai permitir, como mencionou, “lançar as bases” para que a reforma da floresta possa agora arrancar.

Trata-se, em todo o caso, como referiu, de uma reforma de “médio prazo”, cujos efeitos “não serão imediatos”, lembrando contudo António Costa que ou “fazemos agora o que não foi feito nos últimos dez anos, ou os riscos serão sempre crescentes e os meios sempre crescentemente insuficientes”.

Meios de combate aos incêndios que o primeiro-ministro considerou serem “excelentes”, a par dos “elevados níveis de segurança”, aspeto que disse tem beneficiado o país “mesmo do ponto de vista económico”, mas que, por não terem sido acompanhados por uma reforma sustentadamente preventiva e estrutural da floresta, não evitaram que o país se tenha vindo a debater ciclicamente com o flagelo dos incêndios florestais.

 

O papel da proteção civil

Considerando a proteção civil “um pilar importante” em matéria de segurança, fruto em grande medida, como lembrou, da reforma de que foi alvo há cerca de uma década, António Costa lembrou a propósito a ação que tem sido desenvolvida pela Força Especial de Bombeiros, destacando a missão internacional que recentemente desempenhou no Chile.

O primeiro-ministro fez questão de salientar o papel fundamental que a proteção civil tem vindo a desempenhar, sobretudo quando os incêndios florestais “atingem o país”, lembrando que este organismo estende a sua ação a outras “vulnerabilidades naturais que afetam Portugal”, aludindo a este propósito aos riscos sísmicos e às alterações climáticas, como os “crescentes riscos de cheias”.

Particularmente em relação aos riscos sísmicos, segundo o primeiro-ministro, há que “reforçar as condições estruturais dos diferentes espaços edificados”, apontando para a necessidade urgente de se apostar na “reabilitação urbana” como uma “oportunidade única”, não só para melhorar a eficiência energética, mas também para aumentar a “resiliência estrutural do edificado”, defendendo o primeiro-ministro que é preciso “evitar a existência de construções em zonas de riscos de cheias”, uma vez que “colocam em perigo vidas humanas e bens materiais”.

AUTOR

Rui Solano de Almeida

DATA

01.03.2017

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1411
Maio 2018