1106

11 Dez 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Afirmar políticas diferenciadoras na defesa, comércio e migrações
“O Mundo precisa de uma Europa forte”
AUTOR

Rui Solano de Almeida

DATA

03.02.2017

FOTOGRAFIA

DR

“O Mundo precisa de uma Europa forte”

Apenas duas semanas com Donald Trump na presidência dos Estados Unidos da América bastaram para o “mundo perceber que precisa de uma Europa forte”, alertou António Costa em Malta, onde está a participar numa cimeira informal de chefes de Estado e de Governo da União Europeia (UE) consagrada a debater a crise migratória.

 

Falando à saída de uma reunião dos socialistas europeus, imediatamente antes de participar na cimeira informal de líderes europeus da UE, que está hoje a ter lugar na capital da ilha de Malta, La Valetta, António Costa alertou os “mais céticos” para a necessidade de a Europa se “afirmar no mundo unida” no domínio da defesa, da política comercial e na gestão dos fluxos migratórios, face à administração norte-americana.  

Segundo o primeiro-ministro português, sem um diálogo reforçado com os países do sul será muito difícil “prevenir mais mortes no Mediterrâneo”, manifestando a esperança que a Europa ultrapasse a sua própria apatia perante o drama dos migrantes e, unida, possa “dar ao mundo um bom exemplo” de como a gestão dos fluxos migratórios pode ser feita de um modo diferente das “políticas de muros”, que “nada resolvem”, e que simplesmente “violam a dignidade dos seres humanos”, esperando que da cimeira de Malta saia “um bom exemplo”.

 

Diálogo com o sul

Quanto à cimeira de chefes de Estado e de Governo que hoje começou em Malta, António Costa recordou tratar-se de uma reunião onde os líderes da União Europeia vão debater a dimensão externa da política migratória, designadamente, como referiu, o “trabalho que se deve desenvolver” com os países da África subsaariana e mediterrânea, de forma a “combater as causas profundas dos movimentos migratórios”, sustentando que é nestas áreas que a “Europa, em colaboração com as Nações Unidas”, se pode diferenciar das mais recentes políticas adotadas pela administração norte-americana.

Para António Costa, a Europa tem de mostrar a Washington que é capaz de atuar unida na defesa dos seus valores e princípios, apresentando uma política alternativa e diferenciada da assumida pelo Governo norte-americano, nomeadamente em relação à “gestão da crise da imigração”.

Políticas de imigração que não podem nem devem ser encaradas construindo muros ou negando a outras nacionalidades “poderem vir para a Europa”, defendendo que a resposta tem de estar “em mais investimento” e numa maior contribuição dos governos da União Europeia, na criação e no apoio a regimes mais estáveis e democráticos, sobretudo em África, um caminho que, na opinião do primeiro-ministro, será diferenciador em relação às novas políticas defendidas pela Casa Branca.

Para o primeiro-ministro português seria um erro que a Europa confundisse uma presidência norte americana, que é “necessariamente conjuntural”, com as relações históricas que a Europa tem com os Estados Unidos da América, alertando, contudo, que a União Europeia tem de se “mostrar unida” e que não “está disponível” para que a presidência americana “contribua para a divisão da Europa”.

 

AUTOR

Rui Solano de Almeida

DATA

03.02.2017

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1414
Agosto 2019