1026

19 Jul 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Um programa com impactos estudados e avaliados
Compromisso do PS é com políticas de criação de emprego
AUTOR

Mary Rodrigues

DATA

20.08.2015

FOTOGRAFIA

Paulo Henriques

Compromisso do PS é com políticas de criação de emprego

Honrando o pacto de confiança proposto ao país, o secretário-geral do PS faz questão de esclarecer publicamente que o Programa Eleitoral socialista não promete criar 207 mil postos de trabalho, mas compromete-se a colocar em prática medidas que têm como prioridade a criação de emprego.

 

Em declarações aos jornalistas, em Viana do Castelo, onde assistiu às festas da Agonia, António Costa explicou: “Eu não prometo 207 mil postos de trabalho, eu comprometo-me é com um conjunto de medidas de política que, tendo como prioridade a criação de emprego, tem, no estudo técnico que as suportam, uma estimativa, um conjunto de resultados”.

Recorde-se que o líder socialista apresentou recentemente os cálculos finais do Programa Eleitoral do PS, ocasião em que foi referido que o conjunto das medidas a implementar pelo futuro governo beneficiariam o contexto nacional para a criação de 207 mil empregos, o alívio da dívida até 118% e do défice até 1,4% do Produto Interno Bruto (PIB) nos próximos quatro anos.

O líder do PS, esclarece, pois, que não prometeu criar 207 mil postos de trabalho, mas também deixou claro que o partido “não se limita” a ter “um programa com compromissos eleitorais”.

“O PS fez um estudo técnico sobre os impactos financeiros das medidas constantes do programa eleitoral”, insistiu, garantido ainda que “tudo o que prometemos tem viabilidade orçamental e cabe nas metas acordadas com a União Europeia”.

“Com o programa do PS não há nem risco de rutura com o euro nem há a fatalidade da impossibilidade de virar a austeridade", acrescentou o secretário-geral socialista.

Por outro lado, António Costa adiantou que para que os eleitores possam, no próximo dia 4 de outubro, “escolher bem, com confiança, é fundamental, que ninguém tenha cartas escondidas nas mangas”.

Referindo-se a uma entrevista ao “Jornal de Negócios” do coordenador do programa económico do PSD/CDS, Pedro Reis, o secretário-geral do PS disse que “o principal responsável da elaboração do programa da direita vem dizer que não tem que apresentar contas”.

“Ele não quer apresentar as contas. Quer esconder as contas aos portugueses. Quer que os portugueses não saibam aquilo que, efetivamente, se comprometem a fazer”, apontou António Costa.

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1413
Maio 2019