1027

22 Jul 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

António Costa com António Vitorino em Genebra
Acolhimento de migrantes é uma responsabilidade e uma mais valia para as necessidades do país
AUTOR

Partido Socialista

DATA

19.06.2019

FOTOGRAFIA

DR

Acolhimento de migrantes é uma responsabilidade e uma mais valia para as necessidades do país

O primeiro-ministro, António Costa, afirmou hoje a disponibilidade de Portugal em cooperar diretamente com a Organização Internacional das Migrações no sentido de acolher mais migrantes, defendendo que esta é não só uma responsabilidade humanitária, mas representando também uma oportunidade virtuosa para suprir as necessidades do país em matéria de recursos humanos.

 

“Estamos numa situação económica em que muitas associações empresariais nos solicitam que sejamos pró-ativos na criação de canais legais de migração para Portugal de forma a satisfazer as necessidades que temos de recursos humanos”, afirmou o líder do Executivo, após um encontro com o diretor-geral da Organização Internacional das Migrações (OIM), António Vitorino, em Genebra.

“Portugal tem, no quadro da União Europeia, uma atitude positiva e disponibilidade para acolher refugiados, o que devemos fazer tendo em conta a nossa própria história. Quis transmitir que a disponibilidade que temos tido na União Europeia, e que nem sempre tem sido devidamente utilizada, estendemos à OIM e estamos disponíveis para trabalhar diretamente com a OIM”, acrescentou.

António Costa explicou também que esta necessidade não respeita apenas a altas qualificações, mas para diferentes tipos de emprego, apontando, aliás, a iniciativa de apoio aos refugiados sírios que estão a estudar em Portugal como um exemplo de sucesso de integração.

A disponibilidade manifestada pelo primeiro-ministro português, segundo António Vitorino, chega numa altura particularmente complexa do fluxo migratório mundial.

“A urgência hoje é ainda maior. Vivemos cerca de nove situações de grande sofrimento humano, na Síria, no Yemen, mais recentemente na Venezuela, que afeta a comunidade de luso-descendentes e de portugueses. É muito importante que os Estados-membros se mobilizem e agradeço o apoio que Portugal tem dado à OIM, em geral, muito particularmente no apoio aos que mais sofrem, especialmente as mulheres e as crianças", disse o antigo comissário europeu.

 

Intervenção na Conferência Internacional do Trabalho

No âmbito da sua deslocação a Genebra, António Costa manterá também um encontro com o Diretor-geral da Organização Internacional do Trabalho, Guy Ryder, intervindo depois na 108ª Conferência Internacional do Trabalho.

A intervenção do primeiro-ministro português acontece no momento em que a Organização Internacional do Trabalho (OIT) celebra o seu 100º aniversário - ocasião em que pretende aprofundar “uma reflexão sobre o futuro do trabalho, procurando preservar o seu mandato de justiça social face às transformações tecnológicas e sociais em curso no mundo laboral”.

Nos primeiros dias desta conferência, já estiveram presentes vários chefes de Estado e de Governo europeus, com destaque para a chanceler alemã, Angela Merkel, o Presidente francês, Emmanuel Macron, e os primeiros-ministros do Reino Unido, Theresa May, do Luxemburgo, Xavier Bettel, e da Rússia, Dmitri Medvedev.

António Costa parte depois para Bruxelas, onde participará na quinta e sexta-feira em mais um Conselho Europeu, dedicado à discussão e aprovação da Agenda Estratégica (2020/2024) da União Europeia e ao processo de escolha dos futuros presidentes da Comissão, Conselho, Parlamento Europeu e Alto Representante para a Política Externa.

 

 

AUTOR

Partido Socialista

DATA

19.06.2019

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1413
Maio 2019