1027

22 Jul 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Nova Lei já em vigor
“Passo importante” pela igualdade salarial
AUTOR

Partido Socialista

DATA

22.02.2019

FOTOGRAFIA

dr

“Passo importante” pela igualdade salarial

A ministra da Presidência do Conselho de Ministros assinalou, na quinta-feira, a entrada em vigor da nova Lei de promoção da igualdade salarial entre mulheres e homens, considerando que está dado “um importante passo” no combate às desigualdades.

 

“Esta lei constitui um importante passo no trabalho que o Governo tem desenvolvido para combater as desigualdades que ainda persistem entre mulheres e homens e para passarmos finalmente da igualdade de direitos à igualdade de factos”, sustentou Mariana Vieira da Silva, no final da reunião do Conselho de Ministros.

O diploma, que entrou ontem em vigor, prevê uma exigência de transparência na política remuneratória das empresas, obrigando-as a demonstrar, junto dos seus trabalhadores e trabalhadoras, da Autoridade para as Condições de Trabalho (ACT), da Comissão para a Igualdade no Trabalho e no Emprego (CITE) ou, caso se revele necessário, dos tribunais, que os salários praticados estão de acordo com critérios objetivos que decorram do mérito, produtividade, assiduidade ou antiguidade, comuns a homens e mulheres.

O secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita, esclarece que a nova Lei “não pretende onerar as empresas, impor exigências legais adicionais, nem criar mais encargos burocráticos ou administrativos”, mas sim garantir “que a igualdade entre homens e mulheres se torna mais efetiva nos casos em que porventura ainda não o seja”.

O governante destaca ainda a “dimensão pedagógica” do diploma, porque “induz as empresas a refletir sobre as suas práticas salariais, possibilitando uma análise interna sobre eventuais diferenças remuneratórias que não sejam justificáveis a partir de critérios objetivos”.

 

Reforço do papel da ACT e CITE

Com a nova Lei, a ACT passa a poder notificar as empresas cujos balanços evidenciem diferenças remuneratórias, para apresentarem um plano de avaliação dessas diferenças salariais com base nas componentes das funções exercidas pelos trabalhadores.

A CITE passa também a poder emitir pareceres vinculativos sobre a existência de casos de discriminação remuneratória, a pedido de trabalhadores ou dos representantes sindicais.

 

Mais e melhor informação

A nova Lei prevê também que haja “mais e melhor informação”, quer para a opinião pública, quer para os trabalhadores/as e as empresas, passando a ser disponibilizado anualmente pelo Gabinete de Estratégia e Planeamento do Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social informação estatística sobre as diferenças remuneratórias entre mulheres e homens, a nível setorial e por empresa.

Os dados mais recentes indicam que as mulheres auferem salários médios 14,9% inferiores aos dos homens, uma diferença de mais de 150 euros mensais e mais de 2.100 euros anuais, o que corresponde a uma perda de 54 dias de trabalho remunerado para as mulheres.

Em termos de ganho médio mensal (que inclui prémios, subsídios e pagamento de trabalho suplementar), a disparidade salarial de género sobe para 18,3%, o equivalente a uma diferença de 225 euros. Acresce que a disparidade remuneratória tende a aumentar em proporção ao nível de qualificação profissional, chegando aos 26,4% nos quadros superiores, numa diferença de mais de 670 euros mensais.

 

Diferença salarial está a diminuir

Refira-se que as diferenças salariais em função do género em Portugal têm vindo a observar uma redução nos últimos anos. Com efeito, entre 2012 (18,5%) e o indicador mais recente de 2017 (14,9%), esta disparidade teve uma diminuição de 3,6 pontos percentuais, em termos da remuneração média mensal base.

Nos anos de 2016 e em 2017, houve ainda um crescimento significativo dos salários das mulheres, conduzindo a uma redução da disparidade em 1,8 pontos percentuais, de 16,7% para 14,9%, traduzindo-se por uma cada vez maior aproximação de Portugal ao padrão médio europeu.

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1413
Maio 2019