1003

14 Jun 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

ENSINO SUPERIOR
Mais 1500 alojamentos acessíveis para estudantes
AUTOR

João Quintas

DATA

11.09.2018

FOTOGRAFIA

dr

Mais 1500 alojamentos acessíveis para estudantes

O Governo pretende recuperar, no imediato, 30 imóveis para residência de alunos deslocados, disponibilizando 1500 novas vagas de alojamento para estudantes de várias instituições universitárias do país. A iniciativa insere-se no Plano Nacional de Alojamento para o Ensino Superior.

 

A recuperação dos imóveis será realizada no âmbito de protocolos a celebrar com instituições do Ensino Superior, nomeadamente, a Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, a Universidade de Lisboa, a Universidade de Coimbra, o Instituto Politécnico de Leiria, o Instituto Politécnico de Coimbra, a Universidade de Évora, a Universidade do Porto e a Universidade de Aveiro.

O Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES) prevê que as obras tenham um custo estimado de cerca de 10 milhões de euros, a assumir pela Fundiestamo, através da constituição de subfundos. Cada subfundo terá a duração normal de dez anos e durante ou no termo deste prazo o participante pode reaver a totalidade do imóvel ou optar por alienar em mercado as unidades de participação, esclarece o Executivo.

Recorde-se que, em maio, o Governo apresentou o Plano Nacional de Alojamento para o Ensino Superior (PNAES), ao abrigo do qual Instituições de ensino superior públicas e autarquias podem recorrer a um fundo de reabilitação de edifícios se os quiserem disponibilizar para residências universitárias.

Integrado no Programa de Arrendamento Acessível, o PNAES pretende disponibilizar fundos, entre os quais o Fundiestamo (empresa do grupo Parpública), às instituições de Ensino Superior públicas e a autarquias que disponham de edifícios para o efeito, para que possam ser convertidos para a função de residência de estudantes.

Um dos instrumentos disponíveis vai gerir fundos de investimento imobiliário, através do qual as instituições podem disponibilizar os imóveis para reabilitação, afetando-os ao uso de residências universitárias.

De acordo com o ministério de Manuel Heitor, numa primeira fase, os imóveis do Estado, autarquias, instituições de Ensino Superior públicas e outras entidades públicas e do terceiro setor, poderão ser reabilitados com acesso a financiamento, permitindo um retorno não inferior a 4% ao ano.

Desde junho, têm estado a decorrer dezenas de processos de colaboração e visitas técnicas entre instituições de ensino superior e a Fundiestamo, envolvendo ainda outras entidades, nomeadamente autarquias e organismos públicos, com vista à utilização do Fundo Nacional para a Reabilitação do Edificado (FNRE) na recuperação de património para residências de estudantes.

 

Aumentar a oferta e combater o agravamento dos preços

Trata-se de uma medida que visa dar resposta aos estudantes do Ensino Superior público deslocados das suas residências, que, de acordo com o levantamento realizado pelo MCTES, constituem 42,3% do universo de estudantes, para os quais existe uma média global de 13% de camas disponíveis.

Segundo o mesmo levantamento, 40,9% dos alunos deslocados estão inscritos em cursos técnicos superiores profissionais, 41,9% frequentam licenciaturas, 48,3% mestrados integrados, 38,9% de mestrados e 35,7% pretendem obter o grau de doutoramento.

Com esta medida o Governo pretende, ainda, combater o custo crescente das rendas devido a diversos fatores, nomeadamente a pressão turística.

AUTOR

João Quintas

DATA

11.09.2018

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1413
Maio 2019