1034

31 Jul 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

MULHERES SOCIALISTAS
DNMS repudia decisão do Tribunal de Fronteira
AUTOR

João Quintas

DATA

10.09.2018

FOTOGRAFIA

dr

DNMS repudia decisão do Tribunal de Fronteira

“O direito à identidade cultural não pode sobrepor-se a um direito maior, que é o direito à Educação.”, afirma o Departamento Nacional das Mulheres Socialistas (DNMS) em comunicado.

 

“Na sequência da decisão do Tribunal de Fronteira, a propósito do arquivamento do processo de uma jovem de etnia cigana que frequentava o 7º ano do Ensino Básico, as Mulheres Socialistas repudiam, veementemente, esta decisão por considerarem que o direito à identidade cultural não pode sobrepor-se a um direito maior, que é o direito à Educação”, defende o Departamento liderado por Elza Pais.

É necessário realizar um “trabalho articulado entre várias instâncias, no sentido de se sensibilizar esta comunidade, em particular, para a importância da Educação”, consideram as Mulheres Socialistas, porém “não podem tolerar uma decisão judicial fundamentada nas tradições culturais e identitárias, quando estas põem em causa direitos fundamentais”.

O DNMS respeita “a autonomia dos tribunais e as decisões dos magistrados” e considera que “nesta matéria, é urgente reforçar a formação dos magistrados, no sentido de se salvaguardar, sempre e inequivocamente, o superior interesse das crianças e dos jovens, tal como consta na Convenção sobre os Direitos da Criança, aprovada em 1989 pelas Nações Unidas”, diz o comunicado.

O organismo presidido por Elza Pais acrescenta ainda que a Convenção sobre os Direitos da Criança, ratificada por Portugal em 21 de setembro de 1990, “não é apenas um conjunto de princípios gerais sobre os direitos das crianças. Ela representa um vínculo jurídico para os Estados que a subscreveram, ficando estes obrigados a transpor para o direito interno as normas aí consagradas e dando cumprimento efetivo aos direitos que a mesma estabelece”, entende o DNMS.

Por fim, as Mulheres Socialistas reafirmam “que o princípio da escolaridade obrigatória deve aplicar-se a todas as crianças e jovens, independentemente das suas caraterísticas e da sua identidade cultural”, conclui a nota.

AUTOR

João Quintas

DATA

10.09.2018

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1414
Agosto 2019