1004

17 Jun 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

TRANSPORTES
Governo analisa passes sociais
AUTOR

João Quintas

DATA

04.09.2018

FOTOGRAFIA

dr

Governo analisa passes sociais

A redução do preço dos passes sociais “a ser aplicada, tem que ser para o país todo”. Esta é a posição do Governo manifestada por Pedro Matos Fernandes.

 

O ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, revelou que o Governo está a avaliar a possibilidade de reduzir substancialmente o preço dos passes sociais pago pelos utentes, tal como desejado pelas áreas metropolitanas de Lisboa e do Porto.

O Governo está a acompanhar “o trabalho conjunto das duas áreas metropolitanas”, mas afirma que, caso a medida seja implementada, será aplicada em todo o país. “O país não vai ficar atrasado, isso posso garantir”, disse o governante.

Matos Fernandes confirmou que está a ser efetuado um estudo sobre o financiamento dos sistemas de transporte urbano de passageiros, mas, além de não garantir que a medida seja inscrita na proposta de orçamento de Estado para 2019, existem princípios prévios, nomeadamente a cobertura a nível nacional e o de que a eventual perda de receita relativa às deslocações em cada território deve ser suportada pelo respetivo município, considerou o responsável pelo Ambiente.

“Dentro do país todo, as duas áreas metropolitanas têm uma maior percentagem de deslocações feitas através de transporte coletivo e, portanto, absorverão a maior parte do dinheiro que venha a ser aprovado”, previu Matos Fernandes.

 

Proposta de Fernando Medina

Recorde-se que a ideia de reduzir o preço dos passes sociais foi avançada por Fernando Medina no passado fim de semana.

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa anunciou que pretende reduzir os preços dos passes tanto na área metropolitana de Lisboa como na do Porto, não ultrapassando os 40 euros mensais. De acordo com o autarca, esta medida teria um impacto de cerca de 60 milhões de euros, só na área metropolitana de Lisboa.

A proposta de Fernando Medina mereceu grande acolhimento face às virtudes e benefícios diretos e indiretos que encerra em diversos domínios, nomeadamente em termos económicos, sociais e ambientais.

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1413
Maio 2019