1027

22 Jul 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

CIÊNCIA
Governo revela dados do emprego cientifico
AUTOR

João Quintas

DATA

12.07.2018

FOTOGRAFIA

dr

Governo revela dados do emprego cientifico

“Desde janeiro de 2017, já foram contratados 626 investigadores e docentes doutorados” e poderão ser ainda contratados, “pelo menos, mais 4526 doutorados”, revela o Governo.

 

Os dados são do Observatório de Emprego Científico, recentemente criado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES) e reportam-se a 10 de julho de 2018, divulga o comunicado do Governo.

A nota do Executivo informa que, além dos 626 professores e investigadores já contratados, “estão atualmente em execução mecanismos que permitirão contratar, pelo menos, mais 4526 doutorados”.

“Estes mecanismos incluem o conjunto de instrumentos lançados desde o início da legislatura para estimular a contratação de doutorados, incluindo ingressos em carreira e contratações a termo, para além de processos de contratação pelas empresas”, refere o comunicado.

De acordo com o Observatório, são 1951 os bolseiros doutorados sinalizados pelas universidades, institutos politécnicos e centros de investigação que estão abrangidos pela norma transitória do decreto-lei 57/2016, no âmbito da qual as bolsas de estudo podem ser transformadas em contratos de trabalho.

Para estes quase dois mil bolseiros, existem 592 concursos abertos para a contratação de investigadores, o que corresponde a cerca de 30% do total dos concursos das instituições de ensino superior e centros de investigação.

 

Investir na ciência e no conhecimento

Os dados do Observatório, que revelam um aumento exponencial do emprego cientifico em Portugal, traduzem a aposta e incentivo do Governo no conhecimento e na ciência.

A este propósito, recordem-se as palavras do Primeiro-Ministro, António Costa, no Encontro Ciência 2018, que teve lugar nos dias 2, 3 e 4 de julho, em Lisboa, ao afirmar que “é fundamental que a sociedade portuguesa assuma o investimento na ciência e no conhecimento como essencial”.

O líder do PS e Chefe do Governo considerou, ainda, que, para as famílias, “investir na educação dos filhos é o melhor investimento que podem fazer neles” e no futuro do País, enquanto fator de desenvolvimento individual e coletivo.

António Costa incentivou as empresas a apostarem na aquisição do conhecimento cientifico, enquanto elemento “essencial para poderem inovar nos seus produtos e processos de produção, melhorando a produtividade, sendo mais competitivas e concorrendo melhor” a nível global.

Dirigindo-se às instituições de ensino superior e de investigação, o Primeiro-ministro dedicou uma palavra de incentivo e apoio no sentido de «serem capazes de continuarem a trajetória de aumento e de produção de conhecimento, que tem sido muito positiva para o País”, disse António Costa.

 

Metas para 2030

No âmbito do Encontro Ciência 2018, António Costa recordou que “Na estratégia de inovação que o Governo aprovou, há três metas fundamentais” englobadas na Estratégia 2030, concretamente:

- “Aumentar o investimento em ciência, Investigação e desenvolvimento para 3% do PIB, um terço com fundos públicos e dois terços com fundos privados, que significa duplicar o investimento feito até agora”;

- “Qualificar a nossa sociedade”, por forma a que 60% os jovens com 20 anos frequentem o ensino superior e que 50% dos que têm entre 30 e 34 anos; “

- “Aumentar as competências gerais da sociedade portuguesa no acesso às ferramentas digitais, assegurando que nove em cada dez portugueses tem acesso e utiliza a internet”.

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1413
Maio 2019