1003

14 Jun 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Contas do Estado
Saldo da Segurança Social aumentou 15,7%

Saldo da Segurança Social aumentou 15,7%

Até ao passado mês de maio, o saldo da Segurança Social aumentou, em relação a igual mês de 2017, 15,7%, atingindo 1 488 milhões de euros, qualquer coisa como mais 202,1 milhões de euros, anunciou hoje o Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, num comunicado que antecede a síntese de execução orçamental.

 

Segundo uma nota distribuída à comunicação social, o ministério liderado pelo ministro Vieira da Silva adianta que este aumento do saldo da Segurança Social deve-se, em primeiro lugar, à “melhoria da receita efetiva em cerca de 3,3%”, que compara, como acrescenta a nota ministerial, com um “ritmo inferior de crescimento da despesa efetiva, na ordem de 1,6%”.

Ou seja: até maio deste ano, a receita da Segurança Social totalizou 10 950,1 milhões de euros, isto, apesar da redução das transferências correntes do Orçamento de Estado (OE), uma vez que, como adianta o comunicado, “foi eliminada em 2018 a transferência extraordinária do OE para a cobertura do défice”, medida que “tinha atingido 179 milhões de euros até maio de 2017”.

Para esta conjuntura favorável da evolução das receitas da Segurança Social muito contribuiu, como refere o comunicado do ministério tutelado por Vieira da Silva, e de forma “muito significaria”, o aumento em 6,7% das contribuições e quotizações face ao período homólogo, ou seja, cerca de 413,3 milhões de euros.

Para além destes dois fatores, também o aumento das transferências correntes do Fundo Social Europeu, que representaram mais 38,1%, ou seja, 113,4 milhões de euros, para financiamento profissional ajudaram decisivamente a que a receita da Segurança Social tivesse conhecido este ano um aumento significativo.

Quanto à despesa, que até maio ascendeu a 9 462 milhões de euros, cerca de 1,6% mais do que em igual período do ano passado, ficou sobretudo a dever-se “à despesa com as prestações sociais”, designadamente em matérias como a “parentalidade, com mais 11%, Rendimento Social de Inserção (RSI), com mais 6,3%, com o Complemento Solidário para Idosos, com mais 2,5%, ou, ainda, com o abono de família, prestação em que a Segurança Social pagou mais 6,2%.

A estas prestações há ainda que juntar a nova medida de ajuda social criada pelo Governo, a Prestação Social para Inclusão (PSI), que teve o seu início em outubro do ano passado, área em que se registou uma despesa de 100 milhões de euros até maio de 2018, medida que segundo a Segurança Social “veio compensar a redução da despesa com pensões de invalidez que migraram para esta nova prestação”.

 

Menos desempregados

O facto de Portugal estar a criar desde há dois anos e meio emprego sustentado e de qualidade tem ajudado a que as prestações de desemprego estejam a baixar, tendo-se registado neste capítulo uma diminuição de 5,8%, qualquer coisa como menos 33,6 milhões de euros, face a igual período do ano anterior, e isto, como refere ainda o comunicado do ministério de Vieira da Silva, porque o número de beneficiários de prestações de desemprego registados em maio foi inferior em 11,6% comparado com o mesmo período de 2017.

Também a despesa com pensões e complementos caiu 66 milhões de euros, cerca de 1,1%, o que reflete também, ainda segundo o Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, a “alteração do calendário de pagamento do subsídio de Natal”, que passa a ser pago na integra no próximo mês de dezembro, ao invés do que sucedeu em 2017, em que metade deste subsídio foi pago em duodécimos.

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1413
Maio 2019