1046

17 Set 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Parlamento
PSD “fingiu” que se preocupa com natalidade, acusa Carla Tavares
AUTOR

Catarina Correia

DATA

27.06.2018

FOTOGRAFIA

jorge ferreira

PSD “fingiu” que se preocupa com natalidade, acusa Carla Tavares

A deputada do PS Carla Tavares considerou hoje “surpreendente” a marcação do PSD de um debate sobre políticas para a infância e natalidade, tratando-se dos mesmos que, “num passado tão recente, cortaram nos rendimentos das famílias, nos apoios sociais, aumentaram o desemprego, promoveram a precariedade”.

 

“A política de austeridade levada a cabo pelo anterior Governo do PSD/CDS custou a Portugal cerca de vinte mil crianças por ano” e agravou os números da pobreza infantil, lamentou a socialista.

Segundo o relatório do ano de 2013, elaborado pelo Observatório das Famílias e das Políticas de Família, “durante a vigência do anterior Governo de coligação PSD/CDS deixou de haver uma política de família explícita e de âmbito nacional”, frisou a deputada.

A parlamentar lembrou ainda “a emigração maciça de jovens que, por falta de oportunidades de trabalho, foram literalmente empurrados para fora de Portugal pelo anterior Governo da direita, enfraquecendo ainda mais a população ativa e agravando os números da natalidade”.

E deixou um apelo: “Urge fazer regressar a Portugal esses jovens, urge a adoção de medidas de incentivo à fixação no nosso país dos fluxos migratórios provenientes de outros países”.

Carla Tavares criticou, por isso, o PSD por ter chegado hoje ao Parlamento fingindo “que se preocupa com as famílias, com as crianças e com a natalidade, quando na realidade não se preocupa”.

 

Promoção da natalidade deve ser um desígnio nacional

“Para o Partido Socialista, uma verdadeira e eficaz estratégia de promoção da natalidade e de políticas para a infância tem necessariamente que ser desenvolvida de forma transversal, no âmbito de uma política concertada de apoio às famílias”, defendeu a parlamentar.

Carla Tavares lembrou que tem sido demonstrado “que a instabilidade no emprego, a incerteza quanto ao futuro e o escasso rendimento disponível têm sido os principais fatores de inibição dos números de natalidade em Portugal”.

O Governo do PS, que sempre apostou na rede de serviços de apoio à família e na introdução de soluções que permitam uma melhor conciliação entre o trabalho e a vida familiar, “não só aumentou os abonos de família, como alargou o seu âmbito de aplicação, aumentou o salário mínimo nacional, pôs termo aos cortes nos rendimentos das famílias”.

A socialista recordou que, “há pouco mais de uma semana, à saída de uma reunião com a concertação social, o nosso primeiro-ministro lançou o desafio aos parceiros sociais para que, em conjunto, seja alcançado um amplo consenso de implementação de medidas que promovam a efetiva conciliação entre a vida familiar e profissional”. Para o PS, é precisamente na conciliação entre a vida familiar e profissional que se deve concentrar a atenção.

Assim, o Partido Socialista defende que “a estratégia de promoção da natalidade deve ser objeto de uma reflexão alargada, devendo as medidas a adotar serem o resultado de um trabalho conjunto entre as diversas áreas da sociedade, pressupondo necessariamente o envolvimento de todos os partidos, de toda a sociedade e também dos parceiros sociais”.

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1414
Agosto 2019