1034

31 Jul 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Pesar
Morreu Júlio Pomar
AUTOR

Partido Socialista

DATA

23.05.2018

FOTOGRAFIA

dr

Morreu Júlio Pomar

Morreu ontem em Lisboa, no Hospital da Luz, Júlio Pomar. Tinha 92 anos. Pintor e escultor, mas também senhor de uma obra poética, Júlio Pomar nasceu em Lisboa em 1926. É considerado como um dos maiores criadores e artistas plásticos de referência da arte moderna e contemporânea portuguesa, tendo deixado uma obra imensa que percorre os últimos setenta anos, não só na pintura, no desenho e na escultura, mas também na escrita. Realizou igualmente muitos trabalhos de gravura e de ilustração cerâmica e vidro, tapeçaria e interveio igualmente na cenografia para teatro e decoração mural em azulejo. Lutador antifascista, Júlio Pomar conheceu, muito novo ainda, as prisões do antigo regime tendo partilhado, em abril de 1947, a cela com Mário Soares.

 

Um artista icónico
Foram várias as personalidades que manifestaram profundo pesar pelo desaparecimento do artista plástico, Júlio Pomar, com o primeiro-ministro a considerar que Portugal “perde um dos seus mais icónicos artistas”.

Segundo António Costa, numa nota publicada na rede social Twitter, a obra artística de Júlio Pomar, levada a cabo ao longo de sete décadas, está sobretudo “comprometida com a cultura portuguesa e com a liberdade criativa”.

Também o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, considerou que a morte de Júlio Pomar constituiu “uma imensa perda” para Portugal e para “todo o mundo”, frisando que sempre admirou a sua obra.

O ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, lamentou a morte do artista plástico, Júlio Pomar, considerando que o país perdeu um “artista extraordinário e uma figura incontornável da cultura e da história das artes visuais portuguesas”.

Para o presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, a morte de Júlio Pomar, representa uma “imensa perda” para a cultura portuguesa, caracterizando-o como um “artista maior no Portugal contemporâneo” que deve “inspirar as jovens gerações”.

Também a Câmara Municipal de Lisboa se associou ao pesar por esta morte, recordando, entre muitas outras situações, que Júlio Pomar é “nome maior da pintura modernista” e que o seu legado ficará para sempre associado à cidade, também por ser o autor, entre inúmeras outras iniciativas, das pinturas da estação de metro do Alto dos Moinhos, “onde juntou Camões, Bocage, Almada e Pessoa”.

O corpo de Júlio Pomar, ficará esta quarta-feira a partir das 18.30, em câmara ardente no Teatro Thalia, em Lisboa. As cerimónias fúnebres vão ter lugar amanhã, quinta-feira, e serão reservadas à família.

AUTOR

Partido Socialista

DATA

23.05.2018

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1414
Agosto 2019