1027

22 Jul 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

descentralização
Nova Lei das Finanças Locais reforça verbas para os municípios
AUTOR

João Quintas

DATA

14.05.2018

FOTOGRAFIA

dr

Nova Lei das Finanças Locais reforça verbas para os municípios

O Governo aprovou a Lei das Finanças Locais (LFL), a qual prevê o aumento progressivo das verbas para as autarquias até 2021 e a criação do Fundo de Financiamento da Descentralização. O diploma irá permitir que os municípios passem a receber 5% do IVA referente aos setores do alojamento local, restauração, comunicações, eletricidade, água e gás.



A nova Lei das Finanças Locais, aprovada em Conselho de Ministros realizado na passada quinta-feira, dia 10 de maio, assegura que o reforço do quadro de financiamento local seja reforçado, satisfazendo, assim, uma antiga aspiração dos autarcas.

Em comunicado do Conselho de Ministros, o Governo liderado pelo primeiro-ministro, António Costa, salienta que este diploma permitirá que Portugal possa “convergir efetivamente para a média europeia de participação das autarquias na receita pública”.

Neste comunicado, o Governo considera também que a criação do Fundo de Financiamento da Descentralização constitui um “instrumento fundamental” para que a descentralização de competências do Estado Central para as autarquias locais seja concretizada, visto que prevê que sejam afetados recursos financeiros “às autarquias locais e entidades intermunicipais para o exercício das novas competências”.

O mesmo comunicado salienta ainda que a criação do mecanismo de convergência previsto no novo diploma “assegura o cumprimento da Lei das Finanças Locais quanto às transferências para o setor local. Este mecanismo, faseado em três anos, permitirá a evolução sustentada das transferências, num quadro de promoção de rigor e de finanças públicas sustentáveis”, garante o Governo.

O Executivo liderado por António Costa considera também que “a redistribuição de competências entre os diversos níveis da administração do Estado permitirá fortalecer o papel das autarquias locais e obter ganhos de eficiência e uma mais adequada presença do Estado no território”, pode ler-se na nota.

O novo diploma que estabelece o financiamento das autarquias locais prevê que os municípios passam também a ter uma participação de 5% na receita do IVA cobrado nos setores do alojamento, restauração, comunicações, eletricidade, água e gás”, sendo que “esta participação será introduzida faseadamente até 2021”. Este faseamento visa permitir “que a Autoridade Tributária e Aduaneira proceda à implementação dos necessários meios operacionais”, esclarece o Governo.

AUTOR

João Quintas

DATA

14.05.2018

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1413
Maio 2019