844

16 Out 2018

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

TAP
PS manterá Estado como acionista maioritário
AUTOR

Luís Filipe Rego

DATA

12.06.2015

FOTOGRAFIA

DR

PS manterá Estado como acionista maioritário

O deputado Rui Paulo Figueiredo afirmou que “um Governo liderado por António Costa tudo fará para que o Estado continue a manter a maioria do capital social da TAP. Por isso, o que importa agora é que o povo retire o poder ao Governo de Pedro Passos Coelho para que deixe de continuar a fazer asneiras”.

 

Para o deputado socialista, “a privatização é uma grande asneira, porque não tem em atenção o alinhamento da transportadora aérea nacional com os interesses estratégicos do país. Do nosso ponto de vista, verifica-se uma violação do interesse público. O Governo fez uma noitada para avaliar o processo, tem pressa para fechar o negócio contra tudo e contra todos, que não se vê, por exemplo, no combate ao desemprego, ou em estimular a economia”.

“Na resolução aprovada diz-se que se determina que até à liquidação física das compras e vendas a realizar, o Conselho de Ministros pode suspender ou anular o processo de reprivatização da TAP - e determina que, no caso de se verificar a suspensão ou termo do processo de reprivatização, não há lugar a qualquer indeminização ou compensação. Um Governo do PS não hesitará em utilizar esta cláusula", explica o coordenador dos deputados socialistas na Comissão Parlamentar de Economia e Obras Públicas.

Rui Paulo Figueiredo recorda que "ainda vamos ter um longo caminho. Entre a escolha do vencedor e a conclusão”, sendo que “em média, estes processos costumam levar pelo menos seis meses".

 

Ministro da Economia deve explicações no Parlamento

O PS entende que o Ministro da Economia deve explicações ao Parlamento depois de um “processo caraterizado pela falta de transparência, já que se verificou um bloqueio no acesso a documentos fundamentais”. Por isso, apresentou um requerimento no qual solicita a audição, com caráter de urgência, do ministro Pires de Lima. "O escrutínio tem de ser imediato, porque o Governo tem-se furtado a ele. Que o ministro da Economia dê corda aos sapatos e não se esconda atrás da maioria PSD/CDS”, justifica Rui Paulo Figueiredo.

 

AUTOR

Luís Filipe Rego

DATA

12.06.2015

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1411
Maio 2018