1005

18 Jun 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Moção Reinventar Portugal
Daniel Adrião quer devolver o PS aos Militantes
AUTOR

Partido Socialista

DATA

10.05.2018

FOTOGRAFIA

dr

Daniel Adrião quer devolver o PS aos Militantes

O primeiro subscritor da moção de estratégia global Reinventar Portugal e candidato a secretário-geral do PS, Daniel Adrião, percorreu ao longo dos últimos dois meses dezenas de secções do partido de norte a sul do país, onde contactou com centenas de militantes. Durante os contactos mantidos com os militantes socialistas Daniel Adrião reafirmou as ideias fundamentais da sua moção.


Segundo Daniel Adrião: “O PS é de todos, é das suas bases e não apenas dos dirigentes que aparecem nas televisões. Apoiamos o Governo do PS, liderado pelo nosso Camarada António Costa, mas entendemos que o PS não são só os membros do governo, os deputados e os presidentes de câmara. O PS somos todos nós, militantes anónimos, que com a força das nossas convicções e dos nossos valores Socialistas nos batemos no dia-a-dia pela construção de uma sociedade mais próspera, justa e solidária, que beneficie todos e não apenas um punhados de privilegiados.”.
Ainda segundo o candidato da Lista A: “Um Militante não é um mero votante, que serve apenas para caucionar com o seu voto decisões que já foram tomadas por outros. Um Militante não é mais um número, um Militante é um importante activo do Partido, cujo papel deve ser respeitado e valorizado. Nós queremos os Militantes e a base social de apoio do PS a tomar as decisões mais importantes da vida do Partido.”.
Adrião teve ainda oportunidade de explicar as alterações estatutárias que propões ao XXII Congresso Nacional: “Defendemos a consagração estatutária de Primárias Abertas para a escolha de todos os candidatos a titulares de cargos políticos, tal como se comprometeu a realizar, a partir do próximo Congresso Nacional, o nosso Camarada António Costa, designadamente para: Secretário-Geral; Primeiro-Ministro; Deputados à Assembleia da República, ao Parlamento Europeu e às Assembleias Regionais da Madeira e dos Açores; Presidentes dos Governos Regionais da Madeira e dos Açores; Presidentes de Câmaras Municipais e Presidentes de Juntas de Freguesia.”.
O candidato a Secretário-Geral sublinhou a importância da existência de novas regras no funcionamento do sistema político: “Queremos mais ética e mais transparência na política, através de medidas como: a limitação do número de mandatos de deputados e a publicitação da remuneração de todos os detentores de cargos políticos. Queremos a separação entre o Partido e o Estado. Queremos que os presidentes de câmara não possam acumular com outras funções partidárias como: coordenador de secção, presidente de concelhia, presidente de federação ou membro do Secretariado Nacional. Queremos o reforço da exclusividade dos deputados. Não queremos que deputados possam ser simultaneamente presidentes de juntas de freguesia.”. Daniel Adrião sublinhou também aquela que tem sido uma das principais bandeiras da sua candidatura: “Não queremos a acumulação de funções de direção executiva do partido com cargos governamentais. Não queremos que membros do governo passam ser presidentes de federação. Tal como defendemos que deve existir uma separação entre as funções de Primeiro-Ministro e de Secretário-Geral do Partido. Temos um Primeiro-Ministro 100% dedicado ao País e exigimos ter um Secretário-Geral 100% dedicado ao Partido. Defendemos a extinção da função de Secretário-Geral Ajunto, porque entendemos que a liderança do partido deve ser exercida por quem foi efectivamente eleito para tal e não por uma qualquer solução de recurso, encontrada à posteriori e sem verdadeira legitimidade democrática, como acontece actualmente.”.
Por fim o candidato da lista A apelou à mobilização dos socialistas em torno da sua candidatura afirmando: “Apelo a que confie o seu voto a uma equipa e a um programa politico que se propõe devolver o poder aos Militantes e colocá-los no centro da actividade do Partido. Ao votar na Lista A e em mim para Secretário-Geral está a votar em si próprio e na defesa dos valores de sempre do Partido Socialista. O PS somos todos nós!”.

AUTOR

Partido Socialista

DATA

10.05.2018

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1413
Maio 2019