1006

19 Jun 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Floresta
Segurança das aldeias e pessoas é aposta na estratégia da autoproteção

Segurança das aldeias e pessoas é aposta na estratégia da autoproteção

A batalha da limpeza florestal, contra a resistência e a inércia, foi ganha, garantiu o ministro da Administração Interna, na apresentação dos programas “Aldeia Segura” e “Pessoas Seguras”, em Ansião.


Agora, apontou Eduardo cabrita, “teremos de ganhar a batalha da consciência da autoproteção”, sublinhando que o Governo socialista vai ser tão determinado nesta como na limpeza da floresta empreendida nos últimos meses.
E realçou que o Executivo também prepara, “com a mesma intensidade, todos os dias, a batalha pelo combate aos incêndios”.
Eduardo Cabrita fez questão de frisar que “esta é a batalha por todos nós, voltando – sempre que necessário – aos incêndios que em junho de 2017 fustigaram Pedrógão Grande, “para que a memória não passe com o tempo, para que não possa ser esquecida, para que se possa dizer Pedrógão nunca mais”.
A propósito dos programas “Aldeia Segura” e “Pessoas Seguras”, o governante avisou que, apesar de haver muito conhecimento, “se não conseguirmos fazer chegar este trabalho a cada local, às pessoas concretas, de nada servirão as melhores leis do mundo ou os melhores estudos científicos que seja possível fazer”.
“O trabalho que há pela frente é um desafio para todos”, sendo fundamental “criar uma consciência em cada cidadão, de, face a uma situação de risco, saber o que fazer, a quem recorrer, para quem telefonar, o que significa o sino tocar ou o aviso de uma mensagem escrita de urgência”, enfatizou.

Aldeias e pessoas seguras
Refira-se que os programas “Aldeia Segura” e “Pessoas Seguras” têm como objetivo a criação da figura de um oficial de segurança em cada aldeia para transmitir avisos à população, organizar evacuações e realizar ações de sensibilização sobre incêndios.
Estes programas abrangem 189 municípios, que agrupam um total de 1091 freguesias de risco de incêndio, estabelecendo a definição de locais de refúgio nas aldeias e a sensibilização das populações para o que fazer em caso de incêndio.
Tendo sido assinados já os protocolos de concretização entre a Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), a Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP) e a Associação Nacional de Freguesias (ANAFRE), a data de implementação de ambos programas é maio.

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1413
Maio 2019