1005

18 Jun 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Combate aos incêndios
Mais apoio financeiro para equipas de sapadores
AUTOR

Mary Rodrigues

DATA

27.02.2018

FOTOGRAFIA

dr

Mais apoio financeiro para equipas de sapadores

O Governo socialista avança já com mais apoio financeiro para reequipar e criar novas equipas de sapadores, adiantou o ministro da Agricultura, reconhecendo a razão destes profissionais quando se queixam da falta de equipamento apropriado.

 

Luís Capoulas Santos falava após acompanhar uma ação de limpeza de um terreno do Estado junto à localidade de Bouceiros, freguesia de Alqueidão, Porto de Mós, ocasião em que foi abordado pelos homens que efetuavam os trabalhos, queixando-se das condições do material que estavam a utilizar.

O governante respondeu de imediato com um amplo conjunto de medidas, reconhecendo-lhes razão e recordando ter sido ele próprio a criar os sapadores florestais, quando foi ministro “numa outra reencarnação”.

“Voltei 15 anos depois com poucas mais brigadas do que aquelas que tinham sido criadas, com os mesmos equipamentos que estavam há anos em fase de não-utilização, com o mesmo tipo de apoio financeiro”, lamentou.

E, para resolver a situação, o ministro anunciou um aumento das verbas que visam a recuperação das equipas de sapadores existentes, bem como a constituição de novas.

“Está já a decorrer um concurso para cem novas equipas e para reequipar outras 35. Aumentámos também o montante financeiro”, indicou, avançando ainda a abertura de um concurso de três mil euros por equipa, “para que seja possível dotá-las de novos equipamentos de proteção”.

Segundo o titular da pasta da Agricultura, “nos últimos 15 anos houve um grande esquecimento” dos sapadores, uma circunstância que, frisou, “obriga a ir tão longe quanto possível no esforço de melhoria de meios financeiros para apoiar essas equipas”.

Outra medida anunciada é a diminuição do número de dias que as brigadas de sapadores que funcionam em organizações de produtores florestais são obrigadas a conceder ao Estado.

“Acabámos de reduzir esse número de dias, para que possam atuar mais no privado e com isso fazem mais receitas, para garantir o seu funcionamento”, declarou Capoulas Santos.

 

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1413
Maio 2019