1034

31 Jul 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Parlamento
Governo estabilizou e fortaleceu o SNS
AUTOR

Catarina Correia

DATA

23.02.2018

FOTOGRAFIA

jorge ferreira

Governo estabilizou e fortaleceu o SNS

“O Serviço Nacional de Saúde (SNS) é, aos olhos dos portugueses, o maior e melhor serviço público construído pela democracia portuguesa, sendo um decisivo instrumento de coesão social e combate às desigualdades”, referiu o deputado do PS António Sales, no Parlamento, durante um debate com a presença do ministro da Saúde.

 

António Sales sublinhou que diminuir e fragilizar o SNS como aconteceu entre 2011 e 2015, período de governação do Executivo do PSD/CDS-PP, “representa um tremendo retrocesso e um empobrecimento inquestionável da nossa democracia social”.

“Perante a necessidade urgente de contrariar esta herança deixada pelo Governo PSD/CDS, o Partido Socialista, com o apoio da nova maioria parlamentar, assumiu no final de 2015 um claro compromisso com a estabilização, fortalecimento e desenvolvimento do SNS”, garantiu o parlamentar do PS.

Tal como António Sales referiu, dirigindo-se às bancadas da direita, o Governo “honrou e cumpriu” a sua palavra quando repôs os direitos laborais e remunerações, quando ofereceu um médico de família a 500 mil portugueses e baixou as taxas moderadoras, e quando repôs a comparticipação de medicamentos e definiu um plano de investimento em novos hospitais e centros de saúde.

 

Nova liderança do PSD é um “placebo”

António Sales revelou que o Partido Socialista esperava, com a nova liderança do PSD, “uma nova abordagem na avaliação da realidade do SNS, mais rigorosa e produtiva”.

No entanto, lamentou, essa esperança transformou-se em “desilusão”, quando Rui Rio, o novo líder dos sociais-democratas, ofereceu, no passado domingo, “uma penúria de soluções, algumas banalidades e, sobretudo, apresentou um velho retrato datado do final de 2015”, do tempo do Governo de Pedro Passos Coelho.

Mas António Sales elucidou a direita com alguns exemplos da atuação do Governo: deu incentivos a médicos que aceitem ir para zonas carenciadas; investiu 30 milhões de euros para centros de saúde em Lisboa; contratou 7500 novos profissionais; diminuiu o número de mortes de recém-nascidos.

“Ficámos assim sem perceber se este PSD é apenas um novo placebo ou uma inovação terapêutica”, ironizou o deputado, que garantiu que o PS continuará a cumprir o seu compromisso “de fortalecimento e desenvolvimento do SNS”.

 

AUTOR

Catarina Correia

DATA

23.02.2018

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1414
Agosto 2019