1044

13 Set 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Cultura
Prémio Camões entregue ao escritor Manuel Alegre
AUTOR

Rui Solano de Almeida

DATA

05.02.2018

FOTOGRAFIA

dr

Prémio Camões entregue ao escritor Manuel Alegre

Defender a língua portuguesa é uma “prioridade da ação do Governo”, garantiu o primeiro-ministro, considerando que esta é uma aposta de “afirmação da individualidade e da diversidade” num mundo que tendencialmente caminha para a massificação. 

 

António Costa falava momentos antes de entregar, juntamente com o embaixador do Brasil em Portugal, Luís Alberto Figueiredo Machado, e na presença do ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, do ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, do presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, do ex-líder parlamentar socialista, Alberto Martins, e do presidente do PS, Carlos César, entre outras personalidades, ao poeta e ex-candidato presidencial Manuel Alegre, o Prémio Camões 2017, numa cerimónia que decorreu na passada sexta-feira, no Palácio da Ajuda, tendo o primeiro-ministro reafirmado o compromisso do Governo com a língua portuguesa, “com os seus valores e as suas valências”.

Segundo o chefe do Executivo, num mundo onde se observa um “crescente “risco” de massificação, uniformização e de hegemonização, a língua é um instrumento e uma “condição insubstituível” de afirmação da individualidade e da diversidade.

Para além dos rasgados elogios que dirigiu ao seu “camarada” de partido Manuel Alegre, António Costa fez questão de vincar a importância da língua portuguesa e da prioridade que o Governo dá à sua difusão, defendendo que cada língua representa por si mesma um mundo e uma “visão desse mesmo mundo”, uma “singularidade e uma pluralidade”, reiterando a vontade do Governo que lidera de “reforçar, ampliar e de modernizar” uma política de língua “mais ativa e mais eficaz”, de modo a tornar a língua “mais partilhada e mais presente”.  

Um desafio que o primeiro-ministro defendeu que não deve ficar apenas no âmbito do Estado e das suas instituições, mas um desígnio que tem de ser assumido igualmente pelo “conjunto da sociedade civil” e por todos os “luso falantes”, saudando a propósito os povos, países e comunidades dispersas pelo mundo que falam o português, defendendo que todos e cada um deles “são representantes dessa comunidade maior” que fala a língua de “Luís de Camões, de José Craveirinha, de Carlos Drummond de Andrade, de Fernando Pessoa, de Guimarães Rosa, de Luandino Vieira, de José Saramago, de Arménio Vieira, de Jorge Amado, de Baltazar Lopes, de Cecília Meireles, de Mia Couto e de Manuel Alegre”.

 

AUTOR

Rui Solano de Almeida

DATA

05.02.2018

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1414
Agosto 2019