1050

23 Set 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Vieira da Silva na ONU
Políticas sociais são compatíveis com orçamentos equilibrados
AUTOR

Partido Socialista

DATA

01.02.2018

FOTOGRAFIA

dr

Políticas sociais são compatíveis com orçamentos equilibrados

O Governo socialista português provou inequivocamente que é possível implementar medidas sociais sem desequilibrar as contas públicas. A mensagem foi deixada pelo ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, à margem de um encontro nas Nações Unidas.

 

“Num contexto em que muitos criticavam as políticas de domínios sociais, provámos que era possível desenvolvê-las. Obviamente que com moderação, com equilíbrio, mas desenvolvê-las sem que isso afetasse negativamente o crescimento económico”, enfatizou José António Vieira da Silva, que se deslocou a Nova Iorque para participar na 56ª sessão da Comissão para o Desenvolvimento Social da ONU.

Na ocasião, o governante sublinhou que Portugal pode ser um exemplo para países que procuram proteger as suas populações mais vulneráveis e manter um orçamento equilibrado.

“Durante muitos anos vivemos quase uma hegemonia de pensamento único. Quanto ao salário mínimo, quanto menor melhor. Se não houvesse, também não seria mau. [Quanto às] políticas de domínios sociais, teriam de ser cuidadosamente pensadas, ou repensadas”, recordou, acrescentando que em Portugal foram cortadas, pura e simplesmente”, numa alusão aos anos de governação da direita durante os quais imperou a política de cortes cegos e de “austeridade custe o que custar”.

“Nestes últimos tempos, mostrámos que era possível recuperar esses instrumentos muito importantes para a coesão social, e mesmo assim ter uma recuperação económica”, resumiu.

 

Evolução positiva na redução da pobreza

De seguida, o ministro falou sobre a redução da pobreza em Portugal, considerando que está a ter “uma evolução positiva”, ainda que o país tenha vivido “um agravamento da situação durante os anos da crise”.

E lembrou o percurso feito no combate à pobreza nas últimas décadas.

“Portugal, que vinha numa tendência descendente desde que há estatísticas europeias a este nível, viu a situação agravar-se durante os anos mais duros desta crise financeira, económica e social”, declarou Vieira da Silva, sublinhando que os dados de 2016 apontam para uma recuperação e diminuição do número de pessoas em situação de pobreza, principalmente de pessoas em situação de pobreza severa.

 

Saúde, educação e proteção social

Depois, apontou três pilares fundamentais no combate à pobreza: educação, trabalho, e existência de proteção social.

“A combinação dessas três vias é a mais eficaz”, vincou, destacando o Rendimento Social de Inserção e a atualização do salário mínimo nacional como medidas-chave.

Após participar num almoço-debate promovido pela Associação Americana de Pessoas Reformadas e pelo Departamento para os Assuntos Económicos e Sociais da ONU sobre estratégicas para a erradicação da pobreza, Vieira da Silva apresentou aos Estados-membros da Comissão Económica das Nações Unidas para a região da Europa (UNECE) as três prioridades até 2022 definidas na Declaração Ministerial “Uma sociedade sustentável para todas as idades”.

Trata-se, concluiu, de reconhecer o potencial da pessoa idosa, encorajar o envelhecimento ativo e garantir um envelhecimento com dignidade.

Antes do regresso a Portugal, o ministro do Trabalho encontrou-se com o secretário-geral da ONU e antigo secretário-geral do PS, António Guterres.

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1414
Agosto 2019