1005

18 Jun 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Parlamento
Educação está “bem melhor” que em 2015
AUTOR

Partido Socialista

DATA

18.01.2018

FOTOGRAFIA

jorge ferreira

Educação está “bem melhor” que em 2015

O ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, sustentou ontem, no Parlamento, que o sector educativo em Portugal está hoje “bem melhor” do que em 2015, quando o Governo socialista tomou posse, o que pode ser atestado de forma clara por um conjunto de indicadores de normalização no sector, medidas de política e reforço nas dotações orçamentais.

 

“Não estando tudo feito - nunca está - o estado da Educação é, em 2018, bem melhor do que em 2015”, assinalou Tiago Brandão Rodrigues aos deputados, destacando que “passou a haver professores colocados a tempo e horas, anos letivos a arrancarem em setembro e não em novembro e a inclusão de todos num contínuo diálogo social em vez do fomento de guerras entre os diferentes rostos da comunidade educativa, como se a negociação não fosse, justamente, a essência do modo de ser democrático”.

Numa interpelação ao Governo no plenário da Assembleia da República, o ministro da Educação teve ainda oportunidade de confrontar os partidos da oposição com o vazio de propostas construtivas que lhes permita apresentar-se ao país como “uma alternativa consciente”.

“Que prioridades são as suas, que faria de forma diversa, do que abdicaria e em prol de quê”, questionou, dirigindo-se à bancada do CDS. “É isso que o Governo espera de uma oposição que queira cumprir a importante missão que os portugueses, eleitoralmente, lhe outorgaram: ser alternativa”, afirmou.

Tiago Brandão Rodrigues recordou depois que nestes últimos dois anos foram estancados “os cortes orçamentais” impostos pela governação da direita, dando-se execução a “um orçamento progressista, aumentando em 633 milhões de euros o investimento dos portugueses na sua Educação”.

Da nova face visível da Educação, Tiago Brandão Rodrigues destacou que o atual Governo já procedeu à vinculação, “de forma permanente”, de mais de 3.500 docentes, processo repetido este ano “em igual número”, salientando também a redução do número de alunos por turma, a ampliação da rede de pré-escolar rumo à universalização aos três anos de idade, com reforço orçamental de 20 milhões de euros (170 novas salas), assim como “mais 254 turmas e mais de 10 mil novas vagas” no ensino profissional.

O titular da pasta da Educação referiu igualmente “os 350 milhões de euros que tirámos do papel e colocámos no terreno, para - no quadro do permitido pela negociação insuficiente do Portugal 2020, essa sim feita antes de 2015 – requalificarmos, e em parceria com as respetivas autarquias, mais de 500 escolas, do ensino pré-escolar ao secundário”.

No campo do ensino para adultos, Tiago Brandão Rodrigues destacou “um investimento superior a 50 milhões de euros em mais de 300 centros Qualifica”, numa vasta rede que alcançou já o maior número de inscritos desde 2011 e mais do dobro do registado em 2015: “São já mais de 125 mil os portugueses que voltaram a acreditar que Portugal acredita neles”, concluiu.

AUTOR

Partido Socialista

DATA

18.01.2018

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1413
Maio 2019