1034

31 Jul 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Edite Estrela

Opinião

AUTOR

José Neves

DATA

16.01.2018

TÓPICOS

NA DATA DOS 143 ANOS DE SOCIALISMO EM PORTUGAL

Os socialistas portugueses têm razões para se sentirem orgulhosos de pertencerem à sua família política, cuja primeira estrutura partidária foi criada no terceiro quartel do século XIX. Foi dos primeiros partidos socialistas a ser fundado na Europa e “quase cem anos mais tarde (Abril 1973)”, renasce depois de longos e difíceis combates sob a liderança de Mário Soares, dirigente carismático e de enorme envergadura política e combatividade. Estamos a recordar leituras do livro O Socialismo e o PS em Portugal, de que é autor e coordenador Fernando Pereira Marques, professor e investigador da Universidade Nova de Lisboa.

 

Logo na Introdução do livro o investigador Pereira Marques recorda-nos que “em Janeiro de 1875”, completam-se agora cento e quarenta e três anos, foi fundado o Partido Socialista Português. Prosseguindo a análise do passado, aborda, numa síntese histórica, os eventos relevantes deste período, até por volta dos anos 60 do século XX. Sob a época contemporânea, mencionando várias situações, refere a fundação do PS em 1973, a complexa conjuntura pós 25 de Abril, foca, entre outras questões, “o contributo fundamental dado por Mário Soares e governos socialistas ao projecto de integração europeia.” E sob a designação “O Futuro” faz diversas reflexões, alude às conquistas socias alcançadas desde o século XIX que há que manter ou recuperar, tece considerações sobre os problemas sociais que se agudizam neste período “ultraliberal de desenvolvimento capitalista”.

Seguem-se mais dois ensaios do mesmo investigador que trata das origens do socialismo em Portugal. No primeiro, a figura central é o luso-suíço José Fontana, à volta de quem se descrevem os eventos que criaram condições para a fundação do Partido. O segundo ensaio, sob a epígrafe “O I Congresso do Partido Socialista (1877)”, versa sobre a génese do movimento socialista, eventos correlacionados com a citação de figuras importantes, de que destacamos Azedo Gneco, José Fontana e Antero de Quental, e termina com a descrição do Congresso.

As breves notas acima já nos dão uma ideia da importância deste trabalho histórico e de reflexão para quem se interessa por estudar estes temas, numa área em que a bibliografia é tão escassa. Vejamos, em síntese, os restantes sete ensaios que preenchem as 326 páginas do livro. 

Começando pelos historiadores, com narrativas de cariz histórico: Joaquim Palminha Silva, o seu trabalho versa sobre a evolução do P S desde a implantação da I República ao 25 de Abril; Nuno Miguel Jesus, aborda o período da resistência à ditadura, de 1942 até ao fim da década, referindo acções envolvendo a União Socialista; António Reis, fundador do PS, com larga experiência política, faz um amplo estudo abrangendo a pós fundação do PS, o 25 de Abril, o 1.º de Maio 1975 e o 25 de Novembro, temas programáticos e relações PS, PCP e MFA.

Numa abordagem na óptica da política internacional, o investigador António Muñoz Sánchez, num extenso ensaio, relata o ambiente político das relações da Acção Socialista Portuguesa com a Fundação Friedrich Ebert e o SPD, e aborda a realpolitik de Willy Brandt com o regime de Marcelo Caetano.

Na perspectiva do Direito Constitucional o Prof. Paulo Ferreira da Cunha, no seu ensaio, analisa a conduta do PS na feitura da Constituição, para concluir que o Partido foi “fiel a si próprio e a grandes ideais”.

Por fim, a análise dos textos programáticos é feita pela Prof.ª em Ciência Política e Relações Internacionais Ângela Montalvão Machado; e a análise da evolução programática, de organização, recrutamento e renovação da classe política dirigente do PS por Miguel Coelho, doutorado em Ciência Política.

Como se constata, trata-se de um conjunto de ensaios que abrange várias temáticas e em diferentes períodos do Partido Socialista e, por isso, ainda de maior interesse. Esta obra, O Socialismo e o PS em Portugal, editada recentemente (Âncora Editora), vem contribuir para preencher a grande lacuna de livros sobre o socialismo, designadamente na parte histórica. Iniciativa bem-vinda, em data que se evoca, no dia 10 de Janeiro, o velho Partido Socialista Português.

AUTOR

José Neves

DATA

16.01.2018

TÓPICOS
Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1414
Agosto 2019