813

27 Jul 2018

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Direitos Humanos
Portugal foi pioneiro na Europa na abolição da pena de morte
AUTOR

Partido Socialista

DATA

11.12.2017

FOTOGRAFIA

dr

Portugal foi pioneiro na Europa na abolição da pena de morte

Associando-se às comemorações do Dia Internacional dos Direitos Humanos, o Governo reafirma o seu firme “compromisso” na realização “universal de todos os direitos”, objetivo que diz ser “transversal a toda a política externa portuguesa”.

 

Comemorou-se este domingo o 69º aniversário da proclamação da Declaração Universal dos Direitos Humano, data que o Ministério dos Negócios Estrangeiros (MNE) aproveitou para divulgar um comunicado onde reafirma o seu “mais firme compromisso” para com a realização “universal de todos os direitos humanos”, uma ambição que garante o Governo assume como sendo a base de toda a política externa portuguesa.

Reconhecendo o “longo caminho” que em termos globais ainda há a percorrer em matéria de direitos humanos, o Ministério liderado por Augusto Santos Silva realça, contudo, que o desempenho do Estado português, na valorização e na defesa dos direitos humanos, se tem pautado sempre, pelo “respeito, promoção e implementação” da declaração Universal dos Direitos Humanos, sem contudo deixar de alertar que os valores aqui contidos integram também os princípios base da própria Constituição da República Portuguesa, e do “normativo relacionado com as convenções nesta área a que Portugal está vinculado”.

Segundo a nota do MNE, concretizar uma efetiva promoção dos direitos humanos, “não é apenas e só uma responsabilidade que tenha que competir aos Estados promover”, mostrando-se o Ministério liderado por Santos Silva, esperançado que no próximo ano, quando se comemorar os 70 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos, os seus princípios sejam também assumidos e partilhados pelo “esforço de todos”.

A nota do MNE lembra depois alguns acontecimentos que abonam a favor de Portugal na defesa dos direitos humanos, destacando a propósito, e como exemplo, a abolição da pena de morte, que este ano de 2017 celebra 150 anos em que o país deu este passo civilizacional.

Uma iniciativa pioneira que na perspetiva do Ministério dos Negócios Estrangeiros, colocou Portugal na “vanguarda da Europa e do mundo” sendo que ainda hoje ela constitui um dos “pilares da nossa ação externa” em matéria de direitos humanos, garantido o MNE que Portugal continuará a pugnar pela “abolição universal deste castigo cruel e desumano”, que “viola o direito à vida e a dignidade humana”, realça ainda o comunicado.

O MNE salienta, por outro lado, que no próximo dia 31 de dezembro termina o primeiro mandato de Portugal no Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas, recordando que nestes três anos os representantes portugueses trabalharam sempre com o objetivo primeiro de fortalecer o diálogo e a cooperação, no sentido de “alcançar a realização universal de todos os direitos humanos”, tantos os civis como os políticos, sociais e culturais.

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1411
Maio 2018