1047

18 Set 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

PES WOMEN
Ganhar mais para ter mais poder
AUTOR

Partido Socialista

DATA

07.12.2017

FOTOGRAFIA

dr

Ganhar mais para ter mais poder

Decorreu no passado dia 30 de novembro, em Lisboa, a reunião europeia do PES Women, subordinada ao tema “From Gaining to Owning Power”, que contou com a participação de uma vasta delegação de mulheres socialistas europeias e portuguesas.

 

A Presidente do DNMS, Elza Pais, anfitriã do evento, salientou os avanços em matéria de igualdade em Portugal, introduzidos sobretudo pelos governos socialistas, defendendo ser este um “compromisso” e um “desígnio” que importa aprofundar, congregando todos os partidos socialistas europeus.

“Os Partidos Socialistas dos diversos países europeus devem continuar a assumir o seu compromisso para manter a bandeira da Igualdade como uma marca identitária e uma conquista civilizacional para construirmos, em conjunto, uma sociedade de mulheres e homens livres de todo e qualquer tipo de violência e discriminação de género. A Igualdade é ainda um fator de coesão social e territorial, e é um motor essencial para a competitividade e para o desenvolvimento”, afirmou a líder das socialistas portuguesas, na sessão de abertura do evento.

Congratulando-se com o caminho já percorrido no nosso país em matéria de igualdade, de que são exemplo, só na presente legislatura, o travão ao retrocesso na lei da interrupção voluntária da gravidez, a adoção por casais do mesmo sexo, o acesso de todas as mulheres à PMA, a legislação para a representação de género na liderança das empresas, ou ainda as propostas para aprofundar a lei de identidade de género e para combater as desigualdades salariais, Elza Pais alertou, contudo, “haver ainda muito a fazer”.

A presidente das mulheres socialistas portuguesas enfatizou, neste ponto, ser “fundamental que as qualificações das mulheres deixem de ser desperdiçados nas lideranças políticas e económicas”, recordando que em Portugal 60% dos doutorados e licenciados são mulheres, assim como a importância decisiva de afirmar a plena igualdade salarial.

“É fundamental que o saber das mulheres se transforme em poder, e que as mulheres deixem de ganhar menos 16% quando desempenham trabalho de valor igual ao dos homens. Uma injustiça inadmissível e inaceitável no quadro da matriz socialista, pela qual orgulhosamente nos orientamos”, sustentou.

“Queremos hoje colocar os olhos no futuro, nas conquistas que ainda não fizemos, e nos compromissos que devem continuar a ser travados”, concretizou.

 

“Ter ou não ter poder, eis a questão”

A conferência anual do PES Woman foi encerrada com uma intervenção de Edite Estrela, presidente da Comissão Política do DNMS, que destacou, no rescaldo do encontro de Lisboa, o “debate profícuo para a causa da igualdade, para a afirmação do poder no feminino e para a definição de estratégias de promoção de uma sociedade paritária”.

 

 

A dirigente e deputada socialista dedicou um olhar retrospetivo sobre a evolução da situação das mulheres em Portugal nos últimos trinta anos, destacando o percurso gradual de reconhecimento e estatuto social e profissional, em áreas como a magistratura, a diplomacia ou o poder local.

“A integração das mulheres nos processos de decisão política e económica é uma exigência da modernidade e uma condição indispensável ao reforço da democracia e ao desenvolvimento económico”, afirmou, sublinhando que o Partido Socialista pode “orgulhar-se” de sempre ter estado “na linha da frente”, liderando “uma agenda progressista” em vários domínios.

Alertou, no entanto, que a “alteração das mentalidades” não acompanhou ainda esse “ímpeto reformista, apontando como desafios próximos que importa enfrentar, “o reforço do combate as desigualdades salariais e criar condições para uma efetiva conciliação da vida profissional com a vida familiar e pessoal, tanto para mulheres como para homens”.

“Mais de duas décadas depois, o figurino não se alterou muito. A mulher continua a tentar conciliar as responsabilidades da esfera privada com a participação na esfera pública. E a conciliação da vida familiar com a vida profissional é ainda um objetivo não atingido”, vincou Edite Estrela, chamando a atenção para a relevância social, económica e política desta questão, não só no que respeita às condições de acesso das mulheres ao exercício do poder, mas também na sua articulação com os desafios prementes da natalidade e da demografia.

“Não se pode dissociar a natalidade da política de rendimentos. Mudar as políticas, virar a página da austeridade, devolver rendimentos às famílias, reduzir o horário de trabalho na função pública para as 35h, alargar a rede de creches, garantir o acesso de todos à saúde e à educação, repor os apoios sociais, combater a precariedade e o desemprego, é o que o Governo do PS, apoiado pela maioria parlamentar de esquerda, está a fazer em Portugal”, apontou.

“O caminho é longo e difícil e tem de ser percorrido sem mais perdas de tempo. Para que a democracia se cumpra e para que o mundo seja mais equilibrado e justo”, concluiu.

AUTOR

Partido Socialista

DATA

07.12.2017

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1414
Agosto 2019