1008

25 Jun 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Parlamento
Executivo do PS quer leitura livre com recensão crítica por parte dos alunos
AUTOR

Catarina Correia

DATA

05.12.2017

FOTOGRAFIA

jorge ferreira

Executivo do PS quer leitura livre com recensão crítica por parte dos alunos

A deputada do PS Susana Amador considerou que os resultados divulgados hoje na última edição do Progress in International Reading Literacy Study (PIRLS), uma avaliação internacional que incide sobre a compreensão da leitura, na qual os alunos a frequentar o 4.º ano participaram em fevereiro de 2016, “revelam aquilo que foi a desvalorização da escola pública e o retrocesso civilizacional” do anterior Governo de direita, que seguiu “uma política educativa pobre e que desvalorizou muito a cidadania”. A parlamentar frisou que os alunos avaliados iniciaram o 1.º ano em 2012 e foram testados em fevereiro de 2016, apenas dois meses depois de o atual Governo estar em funções.

 

Os alunos portugueses pioraram o desempenho na leitura, baixando de 541 pontos para 528. Este estudo revela aquilo que o Partido Socialista sempre defendeu enquanto oposição ao Governo de Passos Coelho, ou seja, que a escola que o ex-ministro Nuno Crato construiu é “uma escola a preto e branco, que alterou a matriz curricular tornando-a pesada, rígida, e onde descurou as aprendizagens essenciais – a análise crítica dos textos para as crianças”, sublinhou.

Susana Amador criticou ainda o anterior Executivo por ter desvalorizado o Plano Nacional de Leitura, não apostando na “participação oral dos alunos nas salas de aula, na análise crítica e na criatividade”. Já o atual Governo tem insistido em “métodos de aprendizagem mais inovadores, mais qualificados, fazendo uma ligação entre todos os ciclos de ensino”, salientou.

“Há muito trabalho a fazer e entendemos que estamos no bom caminho, quando voltámos a revitalizar o Plano Nacional de Leitura, quando voltámos a centrar-nos nos exames de aferição para que possamos monitorizar de forma precoce tudo o que sejam dificuldades dos alunos e poder também atuar”, disse Susana Amador, acrescentando que ao mesmo tempo o Governo tem apostado no Plano Nacional de Promoção do Sucesso Escolar, “que envolve mais de 200 escolas e que olha para a matriz com maior flexibilização, dando também às escolas e aos professores uma maior autonomia para que a cidadania regresse à escola e nos possamos centrar na qualidade de aprendizagem”.

Susana Amador lembrou outras medidas que o Governo implementou durante este ano e que espera que venham a dar frutos, como o trabalho de identificação das aprendizagens essenciais de português, que identifica o que nenhum aluno pode deixar de aprender e recentra o ensino no processo de aprendizagem, e a participação no InCode 2030 para reforço das competências digitais.

“Mais importante do que olharmos para trás é concentrarmo-nos naquilo que temos de fazer para que possamos melhorar estes resultados e recentrarmo-nos naquilo que deve ser uma escola pública de qualidade, onde todos os agentes educativos devem participar”, defendeu a deputada do PS.

AUTOR

Catarina Correia

DATA

05.12.2017

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1413
Maio 2019