1034

31 Jul 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

INE
Desemprego mais baixo desde 2008 confirma recuperação sustentada
AUTOR

Rui Solano de Almeida

DATA

30.11.2017

FOTOGRAFIA

dr

Desemprego mais baixo desde 2008 confirma recuperação sustentada

Segundo dados do INE, Portugal regista uma clara tendência de recuperação económica, com o produto a crescer 2,5% no terceiro trimestre, o risco de pobreza a diminuir e o desemprego a baixar para 8,5%, a taxa mais baixa desde abril de 2008.

 

Os últimos dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), confirmam o que há muitos meses já se sabia: que a economia portuguesa está a crescer de forma sustentada, enquanto o emprego conhece uma taxa de crescimento que já não se via desde há cerca de nove anos.

Dados que para o secretário de Estado do Emprego, justificam a razão por que tem vindo a crescer a confiança dos investidores e dos empresários, mas também dos consumidores nas “políticas públicas do Governo”, traduzida, designadamente, como referiu Miguel Cabrita, nas medidas de “devolução dos rendimentos”, mas também num conjunto de outras opções estratégicas que têm permitido “alavancar esta trajetória”.

Para se ter uma ideia do crescimento que o emprego que vindo a registar, salientou o secretário de Estado, é necessário lembrar o que se verificava neste capítulo há um ano, quando a taxa do desemprego se situava perto dos 11%, o que mostra, segundo Miguel Cabrita, o enorme esforço que Portugal tem vindo a fazer, na efetiva “recuperação e consolidação do emprego”.

Uma melhoria que se está também a verificar, e de “forma clara”, no desemprego jovem, que tem “diminuído de uma forma sustentada”, mas que está ainda, como alertou o governante, a “níveis que têm que ser objeto de uma atenção pública permanente”, uma vez que se trata de uma questão, como adiantou Miguel Cabrita, que “tem de continuar a merecer toda a atenção do Governo”.

Para lá do que dizem as estatísticas, o secretário de Estado do Emprego, reconhecendo que “tradicionalmente o último trimestre é regra geral menos favorável em termos de evolução”, deixa contudo uma nota de otimismo, sustentada no que diz ser a confiança que tem no percurso de sucesso seguido pelo Governo, que aponta claramente, como referiu, para a recuperação económica e para a diminuição do desemprego, um caminho, que na sua perspetiva, está a permitir avançar, nomeadamente, com “políticas públicas direcionadas para os jovens e desempregados de longa duração”.

 

Os dados do INE

O Instituto Nacional de Estatística reviu ontem em baixa de 0,1pontos percentuais a taxa de desemprego de setembro para os 8,5%, o valor mais baixo desde abril de 2008, estimando que no mês seguinte, em outubro, esta mesma taxa se tenha mantido.

O governante lembrou, a propósito, que um ano antes, em outubro de 2016, a taxa de desemprego estava nos10,6%, sendo que o valor apurado para o passado mês de setembro representa assim uma descida em 0,3%, face ao mês anterior e menos 0,6% em relação a três meses antes.

AUTOR

Rui Solano de Almeida

DATA

30.11.2017

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1414
Agosto 2019