1003

14 Jun 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Edite Estrela

Opinião

AUTOR

Ascenso Simões

DATA

23.11.2017

TÓPICOS

Aprender a fazer Programas Eleitorais? Oh!

Os jornais deram a notícia sem que alguém, dos que habitualmente sabem do que se passa, nos dissesse do que se falava. Aparentemente trata-se de uma iniciativa que quer ensinar a fazer programas eleitorais, a medir as políticas e os impactos propostos. 

 

Talvez os autores não se tenham dado conta que esta é uma iniciativa típica dos falcões, que nos chegou dos grupos de pensamento da direita anti-Estado e que já atacou uma parte da esquerda folclórica que nunca foi ao fundo dos questionamentos. 

Há duas palavras, ambas começadas pela letra u, que separam a esquerda da direita, que são fundadoras da sua existência, ainda hoje. Essas palavras são usufruto e utopia. 

A direita olha para o Estado como o sitio onde vai ganhar a percentagem, onde vai criar riqueza privada em desfavor da saúde societal; a esquerda, toda a esquerda venha ela de onde vier, assenta a sua existência na conquista de direitos, na consagração da liberdade em conjunto com a igualdade. 

Ora, nem uma nem outra podem dizer claramente (os eleitores intuem isso desde sempre) ao que vêm sob pena de ficarem pelo caminho. 

A direita, através dos seus núcleos de pensadores, vem, há décadas, propalando a ideia que menos Estado e menos impostos (com contas públicas certas) promove a libertação da sociedade. Por essa via, em tempos de bonança, conquista a classe média, essa entidade que esquece que no dia em que o Estado desaparecer também desaparece a sua proteção.

A esquerda, que quer fazer políticas sociais, proteger os mais fracos, garantir serviços de educação e saúde universais, deve ter o cuidado de ganhar a classe média sem a levar a achar que o peso no seu bolso é excessivo (por isso deve ponderar, sem dogmatismos, as contas certas), uma vez que os capitais globais nos deixam, como sempre deixaram, com os braços cortados perante a fuga. 

Mas o que têm a ver estas considerações com a arte de aprender a fazer programas e a medir os seus impactos? Tem só ligação com o génio que importa colocar na ação política, com as marcas que cada líder e cada tempo querem assumir na História. 

No dia em que a esquerda se limitar a um template, sem criatividade, com a limitação do que, à partida, um conjunto de espertos dizem, também perde a sua irreverência, elimina os grandes objetivos de mudar a sociedade e vence-se no desaparecimento das suas marcas genéticas. 

Eu quero continuar olhar a utopia como marca que me separa da direita, eu que me tenho como um dos mais moderados dos socialistas portugueses. 

AUTOR

Ascenso Simões

DATA

23.11.2017

TÓPICOS
Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1413
Maio 2019