1047

18 Set 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

OE2018
Portugal deve manter linha de rigor do que já conquistou
AUTOR

Partido Socialista

DATA

22.11.2017

FOTOGRAFIA

dr

Portugal deve manter linha de rigor do que já conquistou

O primeiro-ministro e líder socialista, António Costa, relembrou ontem que a consolidação das finanças públicas é um “princípio fundamental” do programa com que o Governo se comprometeu perante os portugueses, advertindo que a abertura negocial com os diferentes sectores profissionais não pode colocar em causa o que já foi conquistado pelo país.

 

Considerando que a ideia de que é possível “tudo para todos já” seria criar uma ilusão, o chefe do Governo salientou que os recursos disponíveis exigem responsabilidade e não podem ser alocados apenas a quem trabalha no Estado, numa alusão às diferentes reivindicações profissionais.

“Temos de negociar com bom senso, com responsabilidade, procurando responder às ansiedades das pessoas, mas com um princípio fundamental: Portugal não pode sacrificar tudo o que conseguiu do ponto de vista da estabilidade financeira, porque isso, no futuro, colocaria em causa o que foi até agora conquistado”, afirmou António Costa, que falava em Tunes, à margem do Fórum Económico Luso-tunisino.

“Todos estes objetivos devem ser cumpridos para aumentar a capacidade de o país investir onde é necessário. Se queremos investir mais na qualidade da educação, na qualidade do sistema de saúde e nos serviços públicos não podemos consumir todos os recursos disponíveis com quem trabalha no Estado”, defendeu o líder do executivo.

 

Dialogar e respeitar compromissos

Afirmando que o Governo está “disponível para todo o diálogo”, António Costa lembrou, contudo, que a discussão sobre a recuperação dos anos de carreira, reivindicada por alguns sectores profissionais, reporta a uma matéria “que não consta do programa do Governo” e em relação à qual “não há qualquer compromisso”.

“Estamos disponíveis para falar com todos, mas é preciso que todos tenham a noção de que é impossível refazer a história. Portanto, vamos falar, vamos seguramente ter em conta na medida das capacidades do país aquilo que são as preocupações das pessoas, mas tem de haver a compreensão de que é possível repor o relógio a andar para a frente, só que não é possível repor o relógio a andar para trás”, referiu.

O primeiro-ministro sublinhou que foi esta linha, até agora seguida, que permitiu a Portugal ter alcançado “o maior crescimento económico desde o princípio do século, o menor défice desde o início da democracia, uma redução muito significativa da taxa de desemprego, com melhorias em simultâneo das condições de vida e um nível de confiança recorde”.

Razões que levam António Costa a reforçar o que tem provado ser a orientação certa da governação socialista. “Temos de manter essa linha. É preciso responsabilidade para que haja irreversibilidade nos passos dados por este Governo”, acrescentou.

 

Défice para 2018 está fechado

O primeiro-ministro assegurou ainda que o impacto no défice das medidas excecionais para responder aos incêndios florestais está devidamente acomodado.

“O défice para 2018 está fechado. Tendo sido tomada a decisão política de incorporar no Orçamento as medidas que em 2018 são possíveis – e que decorrem do relatório da Comissão Técnica Independente sobre incêndios -, isso tem naturalmente consequências sobre a previsão do défice. Agora, no que respeita a outras matérias, não haverá qualquer alteração” em relação à meta do défice, frisou.

AUTOR

Partido Socialista

DATA

22.11.2017

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1414
Agosto 2019