1005

18 Jun 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Edite Estrela

Opinião

AUTOR

Gabriela Canavilhas

DATA

13.11.2017

TÓPICOS

O Jantar do Panteão

Barreto Xavier -  ex-secretário de Estado da Cultura de Passos Coelho, ex-diretor geral de José António Pinto Ribeiro e meu próprio (até se ter demitido para prejudicar o governo de Sócrates e se posicionar para o governo seguinte) e ex-vereador de Isaltino Morais -  é um peão dum jogo sem honra nem memória. As suas reações ao desagrado público por haver jantares festivos no Panteão Nacional são o pior exemplo de quem não sabe estar na política com a responsabilidade que os cargos públicos exigem e a verticalidade que o debate político merece.

 

O jantar realizado no Panteão Nacional só existiu porque Barreto Xavier abriu as portas à sua realização, pôs a mesa e acendeu as velas: incluiu o Panteão na lista dos espaços públicos e monumentos sob a tutela da Direção Geral do Património, listando inclusivamente os preços para almoços, jantares e cocktails. 

Afirmar agora, como arma de arremesso político contra António Costa, que foi “uma decisão errada e lamentável” e que “obviamente o governo atual, por uma questão de sensatez, não devia ter autorizado” o jantar para convidados da Web Summit no Panteão Nacional” é hipocrisia, ato de má-fé e contorcionismo político.

O despacho da sua autoria, datado de 2014, prevê efetivamente que a DGPC possa não autorizar eventos que ofendam a dignidade dos espaços. Pergunto: quais os jantares, almoços e cocktails que não ofendem a dignidade do Panteão? Todos. Mas a verdade é que ali se realizaram vários desde o Despacho de Barreto Xavier, e que, perante a magnitude do impacto público do Web Summit e do envolvimentos de todas as inúmeras personalidades nacionais e internacionais neste evento de impacto mundial – onde estiveram presentes desde o Secretário Geral das Nações Unidas, o Presidente da República o Primeiro Ministro de Portugal, comissários europeus, só para referir os mais institucionais, não posso deixar de compreender o dilema da diretora geral do património em acionar o seu primeiro veto perante um Despacho em vigor que nunca antes tinha sido questionado. 

O que não compreendo nem aceito é a atitude de Barreto Xavier que, acossado nesta redescoberta da mercantilização da cultura do seu governo, dispara desesperado em todas as direções (acusa António Costa de “cobardia política”), atingindo o seu próprio pé quando questionado sobre a realização de um jantar de 190 pessoas no Panteão em 2013, respondendo cobardemente: “Não é normal que o Governo saiba de tudo o que se passa”.

Há que alterar de imediato o famigerado Despacho, retirar o Panteão Nacional dessa lista de festas e eventos e continuar a reorientar a política cultural no caminho do verdadeiro serviço público e do respeito pelo nosso património.  

AUTOR

Gabriela Canavilhas

DATA

13.11.2017

TÓPICOS
Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1413
Maio 2019