1003

14 Jun 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Web Summit
Desafios globais exigem empenho coletivo e pragmatismo
AUTOR

Rui Solano de Almeida

DATA

07.11.2017

FOTOGRAFIA

DR

Desafios globais exigem empenho coletivo e pragmatismo

Os problemas que os países hoje enfrentam, designadamente em relação às alterações climáticas, “são cada vez mais de ordem global”, exigindo que as respostas tenham um “empenhamento coletivo e pragmático”, sustentou António Costa, no Fórum de Líderes, que marcou o início do segundo dia da Web Summit, esta terça-feira.

 

O que a recente crise financeira veio demonstrar, defendeu o primeiro-ministro, é que os vários problemas que as sociedades hoje enfrentam “são cada vez mais de ordem global”, como é o caso, designadamente, das alterações climáticas, questões que na opinião de António Costa só poderão ter uma solução sustentada caso os países mostrem disponibilidade e interesse em encontrar em conjunto as respostas necessárias com “empenho coletivo e de forma pragmática”.

Para o primeiro-ministro, importa ter presente os ensinamentos da recente crise financeira global, lembrando que os “problemas de uns poderão rapidamente ser também os problemas de outros”, recordando a este propósito que o mundo “é cada vez mais interdependente”

 

Combate ao aquecimento global

Um dos exemplos que António Costa deu, e que em sua opinião terá que ter rapidamente uma resposta séria e global, passa pelo empenho de todos os países no combate ao aquecimento global, assunto que para o primeiro-ministro português “está mais do que na hora para ser abraçado” e de se “agir em conformidade” com a urgência que o assunto exige.

Para que as melhores respostas e as decisões mais adequadas possam ser encontradas, quer em relação às alterações climáticas, quer no que diz respeito às questões de ordem económica, financeira ou sociais, é necessário, defendeu ainda António Costa, que “todas as mãos” se disponibilizem para que os desafios que os países têm pela frente deixem de ser encarados como perigos e possam ser olhados como sujeitos de novas oportunidades.

AUTOR

Rui Solano de Almeida

DATA

07.11.2017

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1413
Maio 2019