1003

14 Jun 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Porto
Eduardo Vítor Rodrigues eleito presidente do Conselho Metropolitano
AUTOR

Partido Socialista

DATA

03.11.2017

FOTOGRAFIA

DR

Eduardo Vítor Rodrigues eleito presidente do Conselho Metropolitano

O presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia, o socialista Eduardo Vítor Rodrigues foi hoje eleito para a liderança do Conselho Metropolitano do Porto (CmP), na primeira reunião dos 17 autarcas que compõem a Área Metropolitana do Porto após as eleições para o poder local do passado dia 1 de setembro.

 

No final do encontro, que elegeu também a autarca socialista de Arouca, Margarida Belém, para uma das vice-presidências do Conselho Metropolitano, Eduardo Vítor Rodrigues salientou os temas dos transportes e dos fundos comunitários como os desafios que dominaram a agenda da reunião.

“Não quisemos fazer descolar esta questão do desafio lançado pelo primeiro-ministro de análise, diagnóstico, mas também de propositura das linhas mestras do novo quadro comunitário de apoio 2021-2027”, disse o novo presidente do CmP, mostrando-se disponível para trabalhar por um concurso internacional “que seja capaz de dar boa qualidade de transportes e de mobilidade na Área Metropolitana”.

A área dos transportes, sublinhou Eduardo Vítor Rodrigues, afirma-se como “determinante e cruza com o quadro comunitário”, destacando a inclusão “das questões de essência energética, também no que diz respeito à mobilidade e ao transporte público”.

O autarca socialista manifestou ainda a convicção de que o tema da descentralização seja retomado e “claramente assumido pelo Governo” no próximo ano.

“Queremos ser interlocutores de um verdadeiro processo de descentralização”, garantiu o novo líder do CmP, advertindo para a indispensável discussão em torno da correspondente vertente financeira.

“Saímos desta reunião com um espírito metropolitano mais reforçado, uma vontade de trabalhar com todas as entidades que estão no terreno, com os municípios mas também com o poder central, de forma reivindicativa, leal, mas reivindicativa porque temos muito caminho para percorrer”, concluiu.

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1413
Maio 2019