1005

18 Jun 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Finanças
Novo modelo de supervisão financeira pronto até dezembro
AUTOR

Mary Rodrigues

DATA

02.11.2017

FOTOGRAFIA

DR

Novo modelo de supervisão financeira pronto até dezembro

O diploma relativo à supervisão financeira deverá estar pronto até ao final deste ano, assim o quer o Governo socialista liderado por António Costa, segundo adiantou o secretário de Estado Adjunto e das Finanças.

 

Falando à margem da conferência “A reforma da supervisão financeira”, que decorreu na Faculdade de Economia da Universidade do Porto, Ricardo Mourinho Félix manifestou-se confiante em ter pronto, em dezembro, o referido diploma.

E lembrou que a reforma está “em fase de discussão”, experimentando “algum grau de complexidade”, até porque, explicou, em cima da mesa está uma “entidade coordenadora e que atuará de forma subsidiária, quando os assuntos pedirem a coordenação entre vários supervisores, assegurando a transmissão de informação e que não há zonas cinzentas ou de sombra”.

Segundo Mourinho Félix, com este modelo, “não tornaremos a ter as questões que aconteceram no caso BES e que sucederam por falta de coordenação entre os supervisores”.

"O que se está a tentar propor é que não volte a acontecer uma crise financeira como esta”, clarificou.

Refira-se que durante a conferência, o secretário de Estado fez questão de sublinhar que o Executivo “conduziu este processo de forma aberta e participada”, convidando várias personalidades dos mais diversos setores sociais e políticos “para apresentarem as suas reflexões”.

“A reforma da supervisão que o Governo está a promover surge num momento crucial: na saída de uma crise financeira que não vamos esquecer, e antes da chegada de outra que todos queremos evitar”, frisou, alertando que as “crises financeiras não surgem sem aviso”.

Mas, enfatizou, “são grandes tempestades que, com o conhecimento e as ferramentas adequadas, é possível antecipar e, se não evitar, pelo menos mitigar os seus efeitos nefastos”.

 

Evitar acumulação de riscos sistémicos

Quanto ao elevado nível de crédito malparado, que é ainda a marca da crise anterior, o secretário de Estado apontou que o Governo tem dado respostas e tem feito o acompanhamento da evolução do endividamento das famílias e das empresas ao nível micro, “algo essencial para evitar uma nova acumulação de riscos sistémicos”.

Recorde-se que o Governo do PS lançou, no início de 2017, o debate sobre a reforma do modelo de supervisão financeira – constituído por três reguladores setoriais: Banco de Portugal (supervisor bancário), Autoridade dos Seguros e Fundos de Pensões (regulador dos seguros) e Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM, regulador dos mercados).

Em meados deste ano, o Executivo de António Costa criou um grupo de trabalho, liderado por Carlos Tavares, ex-presidente da CMVM.

A reforma do sistema de supervisão financeira esteve, entretanto, em consulta pública até 20 de outubro, estando agora a tutela a preparar as propostas legislativas concretas que apresentará.

AUTOR

Mary Rodrigues

DATA

02.11.2017

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1413
Maio 2019