865

15 Nov 2018

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Fogos florestais
Aprovada linha de 100 milhões para recuperar atividade económica
AUTOR

Partido Socialista

DATA

26.10.2017

FOTOGRAFIA

DR

Aprovada linha de 100 milhões para recuperar atividade económica

O Governo aprovou hoje, em Conselho de Ministros, uma linha de apoio à recuperação da atividade económica das empresas das regiões afetadas pelos incêndios, concretizando assim as decisões da reunião extraordinária do Executivo, realizada no dia 21 de outubro.

 

“Trata-se de um decreto-lei que determina a criação de um sistema de incentivos com subsídios não reembolsáveis até uma dotação de 100 milhões de euros e que terá condições específicas para as Pequenas e Médias Empresas”, explicou o ministro do Planeamento e das Infraestruturas, durante a conferência de imprensa no final da reunião.

A linha terá apoios de até 70% de taxa de comparticipação, mas que poderão atingir os 85%, com mecanismos mais agilizados, para recuperações mais pequenas com valor limite de 235 mil euros.

Pedro Marques explicou ainda que “nos apoios de maior dimensão está prevista a peritagem autónoma e independente relativamente aos prejuízos declarados”, acrescentando que “a elegibilidade corresponde a maquinaria e equipamento afetados, a material informático, a reconstrução de infraestruturas das empresas ou material circulante essencial à atividade”.

 

Candidaturas a partir de 6 de novembro

O diploma produzirá efeito à data dos incêndios, 15 de outubro, que será a data de elegibilidade das despesas, destacando o governante que os primeiros avisos de candidatura devem ter lugar a partir de 6 de novembro, como tinha sido já anunciado pelo primeiro-ministro, António Costa.

Este novo sistema de incentivos será ainda complementado pela linha de crédito de 100 milhões de euros, que estará disponível a partir de 13 de novembro, e também por novos concursos, no valor de 80 milhões de euros, de apoio a novo investimento nas áreas ardidas destinado à diversificação da atividade económica.

Sublinhando a importância destas empresas na sustentabilidade dos territórios, Pedro Marques referiu que que as mesmas também poderão beneficiar de sistemas de apoio para o desenvolvimento local e de apoios das próprias comunidades intermunicipais.

 

Linha de crédito para parques de madeira ardida

O Governo aprovou ainda uma linha de crédito de cinco milhões de euros, destinada aos operadores que se disponham a criar parques de receção de madeira ardida, uma medida que o ministro da Agricultura, Capoulas Santos, disse beneficiar “as organizações de produtores florestais, as zonas de intervenção florestal, os baldios, os municípios, e outros operadores económicos”.

 

Reposição das explorações agrícolas

Capoulas Santos destacou também o financiamento destinado à reposição do potencial produtivo das explorações agrícolas, no valor de dez milhões de euros, e que abrange os prejuízos verificados em culturas permanentes, como vinhas, pomares, olivais, animais, estábulos e outras instalações, bem como maquinaria e equipamentos, medida que estará a funcionar na próxima semana.

Os diplomas hoje aprovados concretizam as decisões do Conselho de Ministros extraordinário de 21 de setembro, dedicado ao apoio às regiões afetadas pelos incêndios florestais.

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1411
Maio 2018