1091

20 Nov 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Comentário Duarte Moral
Simplesmente, Maria
AUTOR

PS

DATA

26.05.2015

FOTOGRAFIA

Direitos Reservados

Simplesmente, Maria

Assumidamente perturbada com os novos cartazes do Partido Socialista, a senhora ministra das Finanças do governo da direita, num encontro com elementos da JSD, deixou que a boca, como diz o povo, “lhe fugisse para a verdade”, falando sobre a “necessidade” de fazer mais cortes nas pensões já constituídas dos reformados e pensionistas. Uma verdade absolutamente inconveniente para os interesses eleitorais da recém-constituída coligação PSD-CDS, que, perante o deslize da senhora ministra, tentou assobiar para o ar: “Cortes? Não, que ideia!”. O ex-“partido dos contribuintes” (o PP) veio a seguir dizer que cortes só com o apoio do PS. Ora, sobre isso, estamos esclarecidos, e podem os portugueses ficar descansados. A resposta do PS – claramente definida pelo próprio Secretário-geral – é só uma e tem três letrinhas: Não!

 

Ora bem, o que afetou tanto a senhora ministra que até a levou, imagine-se, a abrir o seu coração e a falar a verdade? A explicação podem ser, então, os novos cartazes do PS, com a frase “Trabalhar com RIGOR para as pessoas”. Cartazes que a Dra. Maria Luís considera “extraordinários”. É que a nossa direita tem a ideia que o rigor é património seu. O seu discurso é, aliás, claro: o rigor “deles” vs o despesismo socialista. É o discurso do medo, o discurso de confundir, como se tal fosse possível, o PS com o Syriza, arrumados na prateleira dos “contos de crianças”. O discurso do caminho único e da falta de alternativa. É um discurso pouco original, diga-se, mas sobretudo que não resiste ao confronto com a realidade e com a substância das coisas.

Ora o que ataranta a nossa tão formatada direita e a Dra. Maria Luís, em particular, é que o PS surge perante os portugueses com uma alternativa de confiança, sólida e credível, no respeito dos compromissos internacionais do Estado português. O caminho que o PS propõe – e prova ser possível – é um caminho que passa pela permanência no Euro e por uma aposta no reforço da Europa. O caminho do PS é o caminho do RIGOR, mas (e este “mas” é todo um programa que nos distingue da direita) um rigor ao serviço das pessoas, ao serviço dos portugueses.

A crise combate-se fazendo crescer a economia e promovendo a qualificação dos portugueses. A receita do arrefecimento da economia e do empobrecimento – seguida pela direita ao longo dos últimos quatro anos - falhou, falhou clamorosamente e conduziu à atual situação, socialmente inaceitável.

A direita a que temos direito sofre de um problema de raiz: confunde reformas com cortes. A Dra. Maria Luís e o seu governo acham que reformar a Segurança Social é cortar pensões. O governo acha que fez reformas porque fez muitos cortes. É essa a sua ideia de rigor. O rigor que o Partido Socialista defende é aquele que combate o mal na raiz e resolve os problemas estruturalmente, com políticas orientadas, com persistência e com continuidade nessas políticas. É toda uma diferença de perspetiva.

 

Duarte Moral

AUTOR

PS

DATA

26.05.2015

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1414
Agosto 2019