1006

19 Jun 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Ciência
Centros científicos com avaliação integrada pela criação de emprego
AUTOR

Mary Rodrigues

DATA

12.10.2017

FOTOGRAFIA

DR

Centros científicos com avaliação integrada pela criação de emprego

Mais simples e orientado para cumprir a política científica do Governo de “criar emprego”, o novo regulamento para avaliação dos centros científicos é “ambicioso” e tem “moldes radicalmente distintos” do anterior, garantiu o ministro da Ciência, em Braga.

 

Durante a inauguração do Instituto de Ciência e Inovação para a Bio-sustentabilidade da Universidade do Minho, Manuel Heitor salientou que a possibilidade que aquele regulamento dá às unidades científicas de se “reorganizarem” surge “propositadamente em simultâneo” com a oportunidades de as instituições científicas formarem laboratórios colaborativos com unidades empresariais.

“O regulamento é ambicioso, as regras finais são publicadas até ao final da semana e vêm garantir que o processo de avaliação das unidades terá moldes radicalmente distintos daquele que foi feito em 2013, sobretudo simplificando o processo, dando abertura a novas áreas, de uma forma que possamos garantir o contacto real e efetivo entre avaliados e avaliadores”, sublinhou o governante.

E disse esperar um “amplo debate nos próximos meses” sobre a “possibilidade que foi dada para a reorganização das unidades [de investigação]”, vincando que aquela possibilidade não é dada agora por acaso, surgindo “propositadamente em simultâneo com a oportunidade que estamos a dar às próprias instituições formando também com as empresas laboratórios colaborativos”.

A importância dos laboratórios colaborativos, que têm no IB-S um “excelente exemplo”, percorreu todo o discurso de Manuel Heitor porque, apontou, vão ao encontro dos objetivos do Executivo socialista para a ciência.

“A nossa política científica tem um objetivo, o de criar emprego em Portugal”, pontualizou, indicando de seguida que os centros [de investigação] têm que ser para a produção de conhecimento, os laboratórios colaborativos têm que ser para a criação de emprego e “essa é a necessidade que temos de diversificar a organização do sistema científico e a organização das empresas”.

 

IB-S em Braga e Guimarães

O IB-S está dividido em duas valências, uma em Braga e outra em Guimarães, sendo que a unidade bracarense acolhe laboratórios para ciências biológicas, biodiversidade, biotecnologia e ecologia, enquanto a de Guimarães centra-se nas ciências dos materiais, produção e gestão de energia, sensores, conservação e reabilitação do ambiente construído.

O objetivo daquela unidade de investigação é “colocar a ciência ao serviço de um modelo de vida sustentável e com maior qualidade nos ambientes construído e natural”, contribuindo igualmente para criar 'spin-offs', promover formação pós-graduada e difundir conhecimento, em conjunto com empresas, autarquias, associações, particulares e unidades científico-tecnológicas.

Entretanto, e por que é fundamental assegurar as condições de trabalho dos investigadores científicos, o ministro da Ciência colocou-se do lado dos que se manifestavam no Porto pelo fim da precariedade, subscrevendo uma carta que lhe foi entregue e comprometendo-se a agendar uma reunião com reitores e investigadores.

AUTOR

Mary Rodrigues

DATA

12.10.2017

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1413
Maio 2019