1084

11 Nov 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

OSCE
Proposta socialista pela abolição da pena de morte aprovada em Minsk
AUTOR

Carla Alves

DATA

10.07.2017

FOTOGRAFIA

DR

Proposta socialista pela abolição da pena de morte aprovada em Minsk

A proposta de resolução pela Abolição da Pena de Morte nos dois países da OSCE onde ainda é aplicada, da autoria da deputada socialista e vice-presidente da assembleia parlamentar desta organização, Isabel Santos, foi aprovada por unanimidade na Comissão de Democracia, Direitos Humanos e Questões Humanitárias.

 

A proposta foi subscrita por todos os deputados da delegação portuguesa, os socialistas Susana Amador e José Miguel Medeiros e os deputados do PSD Nilza de Sena, Luís Campos Ferreira e Miguel Santos.

A iniciativa de Isabel Santos tem particular relevância nos meios diplomáticos europeus por ter sido apresentada e aprovada em Minsk, capital da Bielorrússia, precisamente um dos dois países que mantêm e aplicam a pena de morte, e onde decorreu entre quarta-feira e domingo uma reunião plenária da Assembleia Parlamentar da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE).

No momento em que Portugal assinala os 150 anos da abolição da pena de morte, Isabel Santos considera “constrangedor verificar que um século e meio depois ainda existem países na área da OSCE que mantêm a pena máxima no seu sistema jurídico nacional".

"A Bielorrússia e os Estados Unidos da América são os únicos Estados participantes da OSCE que ainda mantêm, quer na sua legislação, quer na prática, a aplicação da pena de morte", afirma a deputada socialista.

Isabel Santos estende ainda a sua preocupação às moratórias adotadas por outros três estados da OSCE, o Cazaquistão, o Tajiquistão e a Federação Russa, que, embora não a apliquem, mantêm a pena de morte nos seus sistemas jurídicos.

Para Isabel Santos, outro motivo de preocupação é a atual situação da Turquia, onde, passados 13 anos da abolição da pena de morte, foi relançado o debate sobre a sua reintrodução na sequência da tentativa de golpe de Estado ocorrida no ano passado contra o regime de Recep Tayip Erdogan.

No marco histórico dos 150 anos da abolição da pena de morte em Portugal, a delegação portuguesa justifica a apresentação desta proposta de resolução na Assembleia Parlamentar da OSCE em Minsk por considerar um "dever imperioso lutar pela erradicação definitivamente da pena capital à escala global".

"A pena de morte é um castigo desumano e degradante, um ato de tortura inaceitável para os Estados que respeitam os Direitos Humanos, que é um dos principais compromissos de todos os Estados Parte da OSCE", sublinha-se no texto da proposta aprovada.

AUTOR

Carla Alves

DATA

10.07.2017

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1414
Agosto 2019