1091

20 Nov 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Parlamento Europeu
Plano Juncker tem de ser instrumento de convergência económica e social
AUTOR

Partido Socialista

DATA

21.06.2017

FOTOGRAFIA

DR

Plano Juncker tem de ser instrumento de convergência económica e social

O Plano Juncker “vai ter de mudar”, porque ao fim de ano e meio de execução “ficou muito aquém das necessidades e, sobretudo, foi muito mal distribuído”. A avaliação foi feita pelo eurodeputado socialista Pedro Silva Pereira, durante a sessão plenária de Estrasburgo, ao intervir no debate sobre a aplicação do Fundo Europeu para investimentos estratégicos.

 

“Este é um problema sério, que precisa de ser corrigido com medidas eficazes em todos os planos, seja na revisão das regras e dos critérios, seja na revisão dos procedimentos. Porque o Plano Juncker só será um projeto verdadeiramente europeu se se transformar num instrumento a favor da convergência económica e social na Europa”, afirmou o deputado.

Os dados disponíveis revelam uma “elevadíssima concentração geográfica, que beneficia as economias mais poderosas e está a agravar ainda mais a divergência no interior da União Europeia”. Como exemplo, Pedro Silva Pereira apontou os projetos de investimento em infraestruturas e inovação. “Três Estados-membros concentram quase dois terços do total de investimento apoiado”, destacou.

No entanto, reconheceu o deputado, o Plano Juncker “tem dado, sem dúvida, um contributo positivo para superar o grave défice de investimento que se regista na economia europeia”.

 

Crise do projeto europeu é uma crise de valores

Intervindo também no debate que teve lugar em Estrasburgo sobre a refundação da Europa, Pedro Silva Pereira considerou que os problemas com que a Europa se confronta estão “muito para lá de umas décimas a mais no défice e na dívida, ou de umas décimas a menos no crescimento”, porque, como salientou, “a crise do projeto europeu é uma crise de valores”.

“Por muitos livros brancos que se façam, se a solidariedade não voltar a bater no coração do ideal europeu, não haverá nem solução para o problema do euro, nem resposta para o problema da divergência económica face às periferias, tal como não haverá uma política humanitária da Europa que responda ao drama dos refugiados”, explicou.

O parlamentar socialista sublinhou que os recentes atos eleitorais na Europa demonstraram que “os cidadãos estão a dizer-nos, democraticamente, que querem dar uma nova oportunidade ao projeto europeu. Está ao nosso alcance dar essa resposta”.

“Só pondo de lado os egoísmos nacionais e retomando o desígnio da solidariedade, entre nós mesmos, parceiros da União Europeia; e com aqueles que, de fora, nos pedem ajuda”, acrescentou Pedro Silva Pereira, “conseguiremos ultrapassar a crise do projeto europeu e merecer a confiança dos cidadãos”.

 

AUTOR

Partido Socialista

DATA

21.06.2017

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1414
Agosto 2019