1023

16 Jul 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Parlamento
PS quer negociação coletiva em questões laborais
AUTOR

Catarina Correia

DATA

09.06.2017

FOTOGRAFIA

Catarina Correia

PS quer negociação coletiva em questões laborais

A deputada do PS Wanda Guimarães defendeu hoje, durante o debate parlamentar a pedido do CDS-PP sobre formação, teletrabalho e contratação coletiva, que não existe maior garantia para os trabalhadores “do que os acordos fixados em processos de negociação coletiva”, alertando que “ a vida das pessoas não deve estar apenas dependente de uma espécie de competição legislativa”.

 

Wanda Guimarães considerou que ficou provado no debate “que este Governo não só está a governar bem, apoiado numa sólida maioria de esquerda, como está a conseguir estimular alguma da parca criatividade da direita, que durante quatro anos só conseguiu vender as empresas públicas ao desbarato, empobrecer os trabalhadores, retirar-lhes direitos, cortar salários e pensões e outras barbaridades do género”.

Este debate veio mostrar igualmente “que existe um alheamento das direitas e uma distorção tão forte da realidade, que já se veem como os autores de medidas e de políticas que não se cansaram de rejeitar até há escassos meses, apelidando-as de nefastas, inconsequentes, e acusando o Governo do PS, que teve a coragem de as implementar, de obreiro da desgraça do país, prevendo as piores catástrofes”, acusou.

“Pois agora tal a abóbora da Cinderela se transformou num sumptuoso coche, as catástrofes transformaram-se em preciosas joias”, ironizou a parlamentar. “A direita tem sido fértil em inconsistências várias, suscitadas apenas por uma deriva ideológica galopante, chegando a propor matérias que nem os patrões nem os trabalhadores acolheram”, criticou.

Wanda Guimarães esclareceu, dirigindo-se às bancadas do PSD e do CDS, que o que mudou com a entrada deste Executivo “foi a subida do salário mínimo nacional”, que os partidos da direita votaram contra, “foi a reversão das 35 horas”, que também votaram contra, “foi a revogação da chamada requalificação”, que PSD e CDS votaram mais uma vez contra, “foi a reposição salarial, eliminando os cortes” e “o aumento das pensões”, ambos votados contra.

A deputada socialista referiu que os partidos da direita “não conseguem enfrentar a realidade e, sobretudo, não aguentam ter condenado um povo a uma situação de pobreza e desesperança e nem assim conseguirem atingir uma única meta e, em escassos dezoito meses, a ‘geringonça’ que tanto desprezam conseguiu restabelecer a normalidade democrática, ou como ontem lhe chamou o primeiro-ministro, a ‘tranquilidade democrática’, e dar uma nova esperança ao povo português, cumprindo todas as metas a que se propôs”.

Ao contrário do que PSD e CDS afirmam, os portugueses estão a “entender perfeitamente” o atual Executivo, chegando esse entendimento aos partidos da oposição, e “é por isso que a esquerda apresenta uma estável maioria e o PSD está em queda livre”, vaticinou. Wanda Guimarães afirmou, atacando mais uma vez as bancadas da direita, que “é sobretudo a verdade que magoa, mas ainda doeu mais aos portugueses entre 2011 e 2015”.

 

Projetos do CDS representam a falta de criatividade da direita

Referindo-se aos projetos de resolução do CDS em debate, Wanda Guimarães explicou que aquele partido “propõe que o Governo debata o que está a ser debatido, ou propõe mesmo, como no caso do projeto de resolução 905 sobre caducidade e vigência, um ponto incluído no último acordo de concertação social, em vigor desde janeiro deste ano, que prevê um período de dezoito meses em que as partes se propõem a não invocar a caducidade dos contratos”.

A deputada socialista lembrou “o estado comatoso a que chegou a negociação coletiva com o anterior Governo”, sublinhou a recente medida aprovada em Conselho de Ministros que estabelece o prazo máximo de 35 dias úteis para análise das Portarias de Extensão e aconselhou aos partidos da direita a leitura do Livro Verde, divulgado em março passado.

Wanda Guimarães terminou a sua intervenção citando o ministro do Trabalho: “Não somos favoráveis a pequenas alterações na legislação laboral, estamos num processo de avaliação de um conjunto de áreas, negociação coletiva, precariedade, organização do tempo de trabalho. São aspetos estruturantes das relações laborais e queremos uma proposta conjunta”.

AUTOR

Catarina Correia

DATA

09.06.2017

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1413
Maio 2019