1027

22 Jul 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Homenagem
Chegada de Mário Soares do exílio evocada em Santa Apolónia

Chegada de Mário Soares do exílio evocada em Santa Apolónia

A chegada de Mário Soares a Portugal depois da Revolução dos Cravos, vindo do exílio em Paris, foi evocada na passada sexta-feira, numa cerimónia na Estação de Santa Apolónia, em Lisboa, que homenageou o antigo Presidente da República e a memória do “Comboio da liberdade”.

 

A sessão foi promovida conjuntamente pelos CTT - Correios de Portugal e pela Infraestruturas de Portugal, durante a qual foi descerrada uma placa por Isabel Soares, sua filha, com as inscrições “Comboio da liberdade” e “só é vencido quem desiste de lutar”, esta uma das frases mais emblemáticas do fundador do PS.

Além da placa evocativa, os CTT lançaram também um selo de homenagem a Mário Soares, com uma fotografia da autoria de Luís Vasconcelos, e ainda uma peça filatélica com o retrato oficial do antigo chefe de Estado, da autoria de Júlio Pomar.

Isabel Soares descreveu a chegada do seu pai a Santa Apolónia, no dia 28 de abril de 1974, sobre o qual se cumpriram 43 anos, como “um momento empolgante” para muitos portugueses, mas também de muita “ansiedade” para os dois filhos.

Entre Vilar Formoso e Lisboa, o “comboio da liberdade” onde vinham Mário Soares, a sua mulher, Maria de Jesus Barroso, e outros históricos dirigente e fundadores do PS, como Francisco Ramos da Costa, Manuel Tito de Morais e Fernando Oneto, foi forçado a fazer várias paragens prolongadas, como recordou Isabel Soares, em virtude do entusiasmo popular que o acompanhava.

“Assim que entrou em território nacional, aquele comboio foi rodeado em todas as estações. Em cada paragem o meu pai saía e juntava-se à população que, comovidamente, festejava a liberdade e o seu regresso a Portugal”, lembrou.

Intervindo também na cerimónia, o presidente da Câmara Municipal de Lisboa saudou a iniciativa por “assinalar uma data simbólica e histórica na vida da democracia portuguesa”.

“Verdadeiramente, este evento não foi uma chegada a Lisboa, mas uma chegada a Portugal, já que representou uma ideia de futuro para o nosso país. Mais do que o ato físico da chegada de Mário Soares, celebramos a chegada a Portugal do ideário de liberdade e de democracia, da descolonização, do desenvolvimento e da adesão à Comunidade Económica Europeia”, referiu Fernando Medina.

Já o ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, a quem coube fazer o último discurso da sessão, evocando as imagens impressivas dos milhares de pessoas que enchiam o largo em frente à estação, numa receção “entusiástica” e “de grande emoção”, defendeu que a chegada de Mário Soares a Santa Apolónia foi simultaneamente uma partida de Portugal para um novo rumo.

“Embora com 49 anos de idade, para Mário Soares contavam-se já 32 anos de oposição ao regime. Maria de Jesus Barroso, sua mulher, e os companheiros do exílio que o acompanhavam podiam agora voltar à pátria em liberdade. Mário Soares era já para os portugueses um símbolo da luta pela democracia”, disse, recebendo uma prolongada salva de palmas.

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1413
Maio 2019