813

27 Jul 2018

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Ciência
Centro de Investigação internacional vai nascer nos Açores
AUTOR

Rui Solano de Almeida

DATA

11.04.2017

FOTOGRAFIA

DR

Centro de Investigação internacional vai nascer nos Açores

A ilha Terceira vai receber nos próximos dias 20 e 21 de abril, trinta delegações internacionais que vão dar o primeiro passo para a formalização do Centro de Investigação Internacional dos Açores, o “AIR Center”, anunciou o ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor.

 

Trata-se, segundo o governante, de uma reunião “singular no contexto internacional”, que contará com mais de 200 participantes já confirmados, e onde se estabelecerá um “diálogo entre governos” nas áreas da indústria e da ciência, para a formalização, até ao final do corrente ano de 2017, do “AIR Center”, num programa que integra uma agenda virada, como salientou Manuel Heitor aos jornalistas, para o “espaço, para as questões da energia, para os oceanos e para o clima”. Na opinião do governante, o que é novo nesta agenda é a “forma integradora” como se vão abordar os vários temas.

Segundo Manuel Heitor, esta reunião internacional, que vai juntar governos, indústria e ciência, terá certamente um efeito que vai ajudar e muito a melhor posicionar Portugal e a Região Autónoma dos Açores no contexto daquilo que é hoje o debate sobre as estratégias que emergem na área da ciência e tecnologia, sobretudo, como realçou o ministro, para fazer “face aos desafios das mudanças climáticas”.

Também o presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, manifestou a sua satisfação pela realização desta reunião, afirmando que ela vai permitir ao arquipélago, por um lado, “reforçar a sua importância” no contexto nacional, e, por outro, contribuir “para projetar o país”.

Vasco Coerdeiro lembrou ainda que todo esta iniciativa, que levará à construção do Centro de Investigação Internacional dos Açores, na ilha Terceira, “não existe, nem tem como único e final objetivo” apenas a questão relativa ao conhecimento científico, mas também, como salientou, ao “potencial que ele encerra como elemento de criação de riqueza e emprego qualificado”.

Entre os muitos participantes que são aguardados neste encontro, destaque para as instituições governamentais da Europa, Brasil, África do Sul, Nigéria, Índia e Estados Unidos da América, bem assim como grandes empresas da França, Alemanha, Noruega, Espanha, Portugal, Brasil e norte americanas.

 

AUTOR

Rui Solano de Almeida

DATA

11.04.2017

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1411
Maio 2018