1027

22 Jul 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Educação
Ensino profissional é uma via abrangente
AUTOR

Mary Rodrigues

DATA

05.04.2017

FOTOGRAFIA

DR

Ensino profissional é uma via abrangente

O Governo socialista quer subir de 45 para 50 a percentagem de alunos que terminam o secundário pela via profissional, avançou o ministro da Educação, para quem o fortalecimento do ensino profissional, tanto no ensino público, como no ensino privado, é uma prioridade.

 

Tiago Brandão Rodrigues falava no final de uma visita à Escola Básica Francisco de Arruda, em Lisboa, ocasião que aproveitou para informar que o Executivo do PS “aumentou o número de vagas para o ensino profissional em 25% no próximo ano letivo”.

Segundo o governante “este aumento também pretende dar resposta a áreas em que existe uma procura muito grande”, como “aquelas relacionadas com a Indústria 4.0, a automação ou a informática, a restauração ou o turismo”.

Sublinhou que a via profissional permite aos alunos uma dupla certificação – académica e profissional – que lhes permite enveredar por uma atividade profissional quando terminam o secundário ou terem acesso pleno ao ensino universitário ou politécnico.

O ministro adiantou igualmente que o Governo “está a trabalhar para que o ensino profissional se possa alicerçar como uma reposta capaz a muitos dos estudantes que terminam o ensino básico e que querem procurar nas vias profissionalizantes uma forma de terem a dupla certificação”.

A propósito do preconceito que se possa, eventualmente, manter em relação ao ensino profissional, Brandão Rodrigues lembrou que “tem sido feita uma campanha enorme de sensibilização”.

“É importante deixar a mensagem de que o ensino profissional é uma via de ensino capaz, completamente abrangente, e que permite aos alunos várias perspetivas e vias de futuro”, enfatizou o titular da pasta da Educação, referindo que, por um lado, os alunos podem ir para o ensino superior de forma plena e, por outro lado, podem adquirir qualificações para enfrentarem o mercado de trabalho.

Tiago Brandão Rodrigues disse ainda que “a estigmatização que acontecia no passado tem vindo a esbater-se de forma positiva e muitos dos pais e reitores das universidades e presidentes dos institutos politécnicos consideram o ensino profissional como uma mais-valia”.

“Também os empregadores, a indústria, as empresas e as instituições de ensino superior anfitriãs destes alunos reconhecem a sua bagagem académica e o seu percurso escolar que lhes permite dar resposta a todas as vicissitudes”, rematou.

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1413
Maio 2019