1106

11 Dez 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Edite Estrela

Opinião

AUTOR

Cristina Calisto Decq Mota

DATA

24.03.2017

TÓPICOS

UMA CIDADE PARITÁRIA

No passado dia 18 de março, Lagoa, a minha cidade, acolheu a Conferência “Estratégias Europeias para a Igualdade de Género”, promovida pelo Departamento Nacional das Mulheres Socialistas. Convidada para intervir na sessão de abertura – juntamente com a presidente do DNMS, Elza Pais, e o Presidente do Partido Socialista e Líder do Grupo Parlamentar na Assembleia da República, Carlos César  -  aproveitei para dar a conhecer a realidade do nosso município no que respeita à igualdade de género. Com orgulho podemos concluir que, também neste domínio, Lagoa é um bom exemplo.

 

A participação feminina na vida política portuguesa começa a ser visível. No Concelho da Lagoa, a participação das mulheres na vida do município, a todos os níveis, é tão natural como a participação dos homens.  No meu caso concreto, sou a primeira mulher a presidir ao Município da Lagoa, onde trabalham trinta e quatro mulheres, das quais duas são chefes de divisão e quatro compõem o gabinete de apoio à presidência. O Executivo Municipal é composto por sete membros, dos quais quatro são vereadoras, o que corresponde a uma percentagem de 57% de mulheres.

A Assembleia Municipal, também presidida por uma mulher, tem vinte e seis membros, dos quais onze são mulheres e quinze homens, havendo uma integração de 42 % de mulheres. Na totalidade, as listas do PS à Câmara e Assembleia Municipais da Lagoa foram compostas por trinta e três candidatos, dos quais quinze mulheres, o equivalente à participação de 45% de mulheres na vida política do concelho.

Dos cinco Presidentes de Junta do concelho, dois são mulheres, e quatro das cinco Assembleias de Freguesia são presididas por mulheres. Das cerca de cinquenta instituições do concelho, a maioria é liderada por mulheres, exceção à parte de todas as entidades desportivas.

A Lagoa é um exemplo da liderança no feminino e está na vanguarda da Igualdade de Género, assumindo um lugar de destaque no cenário regional como concelho maioritariamente liderado no feminino.

Não faz sentido tomarem-se decisões políticas onde não estejam presentes mulheres, pois há assuntos que ganham outra dimensão e sensibilidade com o seu envolvimento. A igualdade não tem género! Há causas nobres que designo de humanas, que precisam ser defendidas e a “Igualdade de Género” é uma dessas causas!

AUTOR

Cristina Calisto Decq Mota

DATA

24.03.2017

TÓPICOS
Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1414
Agosto 2019