1023

16 Jul 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Economia
Crescimento do PIB confirma aceleração da produção nacional
AUTOR

Rui Solano de Almeida

DATA

02.03.2017

FOTOGRAFIA

DR

Crescimento do PIB confirma aceleração da produção nacional

A economia portuguesa registou um crescimento homólogo de 2% no quarto trimestre de 2016, mais 0,1 pontos percentuais face à estimativa divulgada em fevereiro. Dados que foram divulgados pelo INE e que vêm confirmar que o PIB nacional está a crescer.

 

O Instituto Nacional de Estatística (INE) acaba de divulgar que o PIB nacional no quarto trimestre do ano passado cresceu 2%, depois de ter registado aumentos de 1% no primeiro e no segundo trimestres, e de 1,7% no terceiro trimestre.

Ainda segundo os dados do INE, ao longo de 2016, a economia portuguesa cresceu 1,4% em termos reais, enquanto em termos nominais esse crescimento foi de 3,1%, tendo o saldo externo de bens e serviços aumentado 1,2% do produto, mais 0,5% do que em 2015, dados que vieram superar a previsão antes divulgada pela Comissão Europeia, que apontava para um crescimento do PIB português de apenas 1,3%.

O crescimento do PIB no quarto trimestre resulta, segundo o INE, do investimento que cresceu 2,6% em 2016, face ao mesmo período do ano anterior, e de 5% em relação ao terceiro trimestre, enquanto no quarto trimestre do ano passado houve um crescimento homólogo de 6,9% do investimento em máquinas e equipamentos.

 

Mais emprego

Os sinais positivos de retoma da economia portuguesa estão também patentes no mercado de trabalho, com o emprego, no quarto trimestre de 2016, a crescer 2,4% em termos homólogos, tendo em dezembro a taxa de desemprego baixado para 10,2%, o valor mais baixo desde março de 2009.

O Instituto de Estatística realça ainda uma diminuição de 4,2 pontos percentuais na taxa de desemprego jovens, entre os 15 e os 24 anos, que em janeiro deste ano se situava nos 25,7%, um cenário que vem confirmar, como salienta uma nota do Ministério das Finanças, o rigor das estimativas plasmadas no Orçamento do Estado de 2017, reforçando assim a convicção do Governo nos objetivos orçamentais e de crescimento para 2017.

Para o ministro da Economia, os dados agora divulgados pelo INE sobre a evolução da economia portuguesa “são muito positivos” também para o emprego, lembrando a este propósito que a taxa de desemprego é hoje a mais “baixa dos últimos oito anos”, uma realidade que considerou ser “consistente” e que pode ser traduzida no facto de haver criação de emprego “muito forte”, cenário que em sua opinião “vai continuar a ser uma realidade ao longo deste ano”.

Para Manuel Caldeira Cabral esta retoma da economia, “com sinais muito positivos”, e a baixa que se regista, paralelamente, no desemprego, só foi possível alcançar em resultado do que considerou ser a “mistura de crescimento puxado pela procura interna e pelas exportações”, sendo que este setor, no final do ano passado, teve uma “aceleração muito interessante”, que o Governo “espera que se mantenha e se reforce ao longo de 2017”.

O governante chamou ainda a atenção para o elevado grau de confiança que os consumidores têm manifestado em relação à economia, revelando um otimismo, como referiu, que já “não se via há mais de 17 anos”, manifestando a sua convicção de que os portugueses devem estar “todos satisfeitos” com esta realização do país e por a “retoma estar a ser reforçada”.

AUTOR

Rui Solano de Almeida

DATA

02.03.2017

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1413
Maio 2019