1027

22 Jul 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Parlamento
Assédio laboral deve constituir contraordenação muito grave
AUTOR

Catarina Correia

DATA

26.01.2017

FOTOGRAFIA

Jorge Ferreira

Assédio laboral deve constituir contraordenação muito grave

A deputada Isabel Moreira apresentou hoje, no Parlamento, um projeto de lei do PS sobre o assédio em contexto laboral, no qual defende a necessidade de indemnizar as vítimas e de tornar a prática uma contraordenação muito grave.

 

“O assédio em contexto laboral continua a ser, lamentavelmente, uma realidade incontornável com impacto nocivo e relevante nas vidas de muitas e muitos trabalhadores em todo o mundo e Portugal não é exceção”, pode ler-se no projeto de lei socialista.

A legislação laboral “responde com um quadro jurídico sancionatório que, analisados os seus resultados práticos, se tem revelado infrutífero face à perceção de persistência de casos que não são devidamente sancionados”, defendem os socialistas no diploma.

Isabel Moreira sustentou que “é preciso ficar claro que a prática de assédio constitui contraordenação muito grave, independentemente da responsabilidade criminal”.

O PS também defende a “inclusão no elenco de deveres do empregador os deveres de adotar códigos de boa conduta de prevenção e combate ao assédio no trabalho e instaurar processo disciplinar sempre que tiver conhecimento de alegadas situações de assédio no local de trabalho, acautelando que o incumprimento desses deveres passa a constituir contraordenação grave”, explicou a deputada.

O Partido Socialista também propõe que a prática de assédio confira o direito a uma indemnização por parte da vítima.

“Determina-se, ainda, que as respetivas entidades fiscalizadoras – Autoridade para as Condições do Trabalho e Inspeção-Geral de Finanças – devem disponibilizar endereços eletrónicos próprios para receção de queixas de assédio em contexto laboral, e informação, nos respetivos sítios eletrónicos, sobre identificação de práticas de assédio e sobre medidas preventivas, de combate e de reação a situações de assédio e incluir no seu relatório anual os dados estatísticos referentes à atividade desenvolvida ao abrigo do presente regime”, afirmou.

“O assédio no local de trabalho tem características de tortura e tem na precariedade uma aliada. Pisa, humilha, degrada, desdignifica, é silencioso, é silenciado, é forte e cobarde e as suas vítimas não caem apenas na desistência do seu posto de trabalho, mas sofrem consequências físicas e morais que afetam a sua saúde de forma gritante”, vincou Isabel Moreira.

 

AUTOR

Catarina Correia

DATA

26.01.2017

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1413
Maio 2019