1026

19 Jul 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Concertação
Acordo está assinado pelos parceiros sociais
AUTOR

Partido Socialista

DATA

18.01.2017

FOTOGRAFIA

DR

Acordo está assinado pelos parceiros sociais

O acordo de concertação social, que prevê a descida excecional e temporária da taxa social única (TSU) para os empregadores em articulação com o aumento do salário mínimo nacional (SMN) para os 557 euros, foi ontem assinado por todos os parceiros sociais subscritores, seguindo a tramitação que estava prevista, ainda que a mesma, aparentemente, fosse do desconhecimento da liderança de um dos partidos da oposição.

 

Assim, logo após a promulgação pelo Presidente da República do decreto-lei que estabelece a descida da TSU em 1,25 pontos percentuais para os empregadores – e apenas em relação aos trabalhadores abrangidos pelo SMN -, que é parte estruturante do acordo alcançado entre os parceiros sociais em 22 de dezembro, o primeiro-ministro, António Costa, conferiu a sua assinatura ao documento da concertação, tendo este seguido para assinatura de cada um dos subscritores, as confederações patronais e a UGT.

No que respeita ao decreto que prevê o aumento do SMN de 530 para 557 euros, depois de aprovado em Conselho de Ministros foi promulgado pelo Presidente da República em 28 de dezembro, estando já em vigor desde 1 de janeiro.

Em comunicado conjunto, as confederações patronais afirmam que “este compromisso prova a responsabilidade dos que o assinaram, acautelando os seus interesses, mas, sobretudo, valorizando objetivos comuns e garantindo estabilidade social”.

Por seu lado, a UGT reafirma, também em comunicado, tratar-se de um “acordo tripartido fundamental”, com “medidas importantes para os trabalhadores, empresas, economia, emprego e para o país”, destacando, em particular, que “já garantiu que a 1 de janeiro de 2017 os trabalhadores de mais baixos salários vejam aumentado o salário mínimo em 27 euros”.

O Presidente da República sublinhou ontem, em declarações públicas, já depois da promulgação do decreto-lei que estabelece a descida temporária da TSU, que esta medida acolhe um regime favorável à economia, constituindo um estímulo ao investimento, atende a um objetivo de natureza social, ao abranger também as misericórdias e as IPSS, e preenche ainda um vazio criado com o fim do regime que vinha do Governo anterior.

AUTOR

Partido Socialista

DATA

18.01.2017

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1413
Maio 2019