1028

23 Jul 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Edite Estrela

Opinião

AUTOR

Edite Estrela

DATA

28.11.2016

TÓPICOS

BONS RESULTADOS

Há um ano, António Costa tomou posse como primeiro-ministro de um governo PS, apoiado pela maioria parlamentar de esquerda saída das eleições de 4 de outubro. Poucos lhe auguraram longa vida. Muito poucos acreditaram que dobraria o cabo das tormentas do Orçamento do Estado para 2017. E ninguém previu que, decorrido um ano, a maioria dos portugueses iria considerar esta solução governativa “estável, positiva, legítima, credível e duradoura”.

 

Há um ano, António Costa, secretário-geral do PS, desafiou o BE e o PCP para construírem uma alternativa ao governo de direita. Firmou um acordo com toda a esquerda parlamentar. Conseguiu concretizar o que ninguém antes ousara.   Surpreendeu o país e a Europa e deixou a direita à beira de um ataque de nervos.  De tal modo que o então presidente da República, ignorando a nova maioria parlamentar e ao arrepio da própria Constituição, pretendeu prolongar o governo PSD/CDS até à tomada de posse do novo PR. 

Um ano depois, António Costa voltou a surpreender. Só mesmo ele teria a coragem de se submeter, e aos seus ministros, a uma inédita prova oral, respondendo em direto e ao vivo às perguntas formuladas por sessenta cidadãos representativos da sociedade portuguesa, selecionados pelo Instituto de Ciências Sociais. O governo passou no teste com distinção, a avaliar pelo aplauso final, mas foi um risco que nenhum outro PM antes dele quis correr. 

Um ano depois, os bons resultados são reconhecidos pela maioria dos portugueses. O general De Gaulle dizia que em política só os resultados contam, não as intenções. Pois bem, em apenas um ano, o governo do PS mostrou que que havia alternativa à política de austeridade seguida pelo anterior governo, cumprindo o prometido (devolvendo rendimentos e pensões), respeitando o acordado com os parceiros parlamentares e honrando os compromissos internacionais. Voltou a paz social e houve tranquilidade na abertura do ano letivo. Não houve orçamentos retificativos nem medidas inconstitucionais. Foram criados 140 mil novos postos de trabalho.  A economia começa a crescer e o desemprego a baixar. Foi antecipado o pagamento de dois mil milhões de euros ao FMI.

A Europa, que há um ano torcera o nariz à inusitada solução governativa, já aprovou a proposta de OE2017 sem qualquer exigência; reconheceu que Portugal deve sair do procedimento por défice excessivo legado pelo governo PSD/CDS; e decidiu cancelar qualquer proposta de suspensão de fundos estruturais e de investimento. 

Perante tais resultados, é natural que 55% dos portugueses reconheçam que a situação social e económica do país é agora melhor que há um ano. É isso que importa, que os portugueses vivam melhor, como disse o Presidente Marcelo Rebelo de Sousa, e confiem no futuro.

AUTOR

Edite Estrela

DATA

28.11.2016

TÓPICOS
Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1413
Maio 2019