1066

15 Out 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Saúde
Governo aprovou regulamentação da Procriação Medicamente Assistida
AUTOR

Rui Solano de Almeida

DATA

17.11.2016

FOTOGRAFIA

DR

Governo aprovou regulamentação da Procriação Medicamente Assistida

O Conselho de Ministros aprovou hoje a regulamentação dos tratamentos sobre a Procriação Medicamente Assistida (PMA), dando concretização à lei aprovada em maio no Parlamento, abrindo ainda a possibilidade de envolver também os sectores privado e social nas respostas para esta especialidade.

 

Para o governante, que falava esta quinta-feira no final do Conselho de Ministros, “hoje é um dia importante”, justificando com o facto de o projeto de regulamentação agora aprovado passar a permitir que mais mulheres tenham acesso à PMA, quando até aqui a lei limitava esse acesso apenas aos casais com problemas de infertilidade.

Na apresentação do projeto de regulamentação, o ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, depois de defender que o Estado “tem que criar as respostas públicas” capazes de responder a uma matéria que se reveste, como salientou, de uma grande “sensibilidade”, não excluiu a hipótese, “se for necessário”, de solicitar a colaboração privada e social, desde que a “qualidade e a segurança estejam asseguradas”.

Adalberto Campos Fernandes fez ainda questão de recordar que a regulamentação de uma lei, com a dimensão e a “sensibilidade” que esta matéria envolve, teria sempre que ser elaborada de forma “prudente”, não perdendo de vista, como salientou, o “cumprimento do prazo”, mas sempre com a preocupação de fazer uma lei “tecnicamente validada”.

O projeto de decreto regulamentar hoje aprovado em Conselho de Ministros aborda o acesso às próprias técnicas de procriação, o princípio da não discriminação e o recurso a técnicas de PMA no Serviço Nacional de Saúde (SNS).

Segundo o ministro, pretende-se assim concretizar que o acesso à PMA não produza nenhuma “exclusão”, assegurando uma “prestação de serviços adequada, segura e não discriminatória”, tal como ficou aceite na lei aprovada em maio na Assembleia da República.

A regulamentação agora aprovada, ainda segundo o governante, constitui um “passo obrigatório” para que o SNS “comece a construir as necessárias respostas”, as quais, na sua opinião, “terão de ser agora intensificadas”, de modo a concretizar a principal preocupação do Governo, que passa por “garantir”, como lembrou, o direito ao acesso, sustentando o titular da pasta da Saúde que o processo de criação e instalação dos centros deve ficar regularizado no início de 2017.

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1414
Agosto 2019